“ADONIRAN – MEU NOME É JOÃO RUBINATO”

ADONIRAN – MEU NOME É JOÃO RUBINATO

O FILME “ADONIRAN – MEU NOME É JOÃO RUBINATO”, DO DIRETOR PEDRO SERRANO

 

É O FILME DE ABERTURA DO 23º FESTIVAL “É TUDO VERDADE”, DIA 11 DE ABRIL, EM SÃO PAULO

 

ADONIRAN – MEU NOME É JOÃO RUBINATO (Dir.: Pedro Serrano, Brasil, 2018, 92 min.)

A vida e a obra de Adoniran Barbosa (1910-1982), o maior nome do samba paulista, autor de sucessos como “Trem das Onze” e “Saudosa Maloca”.

 

Por meio do acervo pessoal do artista, imagens de arquivo raras e depoimentos de amigos e familiares, descobrimos um personagem multifacetado, que retratou a sua São Paulo em canções e personagens de rádio.

 

Tendo a cidade como coadjuvante, o documentário traça um paralelo entre a metrópole de hoje e aquela vivida por Adoniran.

Numa jornada por seu universo criativo, cheio de controvérsias alimentadas por ele mesmo, revela-se, por trás da figura pitoresca e de fala engraçada, um artista profundamente sensível às mazelas do povo.

 

“ADONIRAN – MEU NOME É JOÃO RUBINATO”

Ficha técnica:

Direção e Roteiro: Pedro Serrano

Produção: Cao Quintas, Cassio Pardini, Pedro Serrano, Frederico Lapenda

Pesquisa: Pedro Serrano e Christian Grinstein

Fotografia: David Rossetto e Pedro Serrano

Montagem: Christian Grinstein, Gabriel Peixoto, Pedro Serrano

Desenho de Som: Danilo Chen

Música Original: Arthur Decloedt

Trilha Sonora: Rafael Benvenuti

Produção executiva: Jacqueline Manzini

Produtora: Latina Estúdio

Co-produção: Canal Brasil

Distribuição: Pandora Filmes

Datas de exibição durante o Festival:

IMS Paulista – dia 12/04 – 17h

CCSP – dia 19/04 – 17h

Sesc 24 de Maio – dia 22/04  – 11h

 

Sobre o É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários:

Fundado e dirigido pelo crítico Amir Labaki, o É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários conta em sua 23a edição com patrocínio do ITAÚ; Parceria do SESC-SP e copatrocínio da SABESP e da SPCINE.

Conta com o apoio do Ministério da Cultura – Secretaria do Audiovisual, através da lei 8.313/91 (Lei Rouanet) e da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo – Programa de Ação Cultural/PROAC ICMS. O projeto também foi contemplado no edital SAV / MINC / FSA nº 11.

“É um privilégio lançarmos mais uma safra excepcional de documentários, notadamente brasileiros”, afirma o fundador e diretor do É Tudo Verdade, Amir Labaki.

“As competições nacionais, de longas e de curtas, são da década e os cineastas brasileiros têm participação recorde na disputa de longas internacionais, com três representantes. É um festival um pouco mais enxuto, mas nada menos vigoroso”.

 

Leia também.

Festival Internacional de Circo