CD em extinção – A queda dos ouvintes do CD

CD em extinção - A queda dos ouvintes do CD

CD em extinção – A queda dos ouvintes do CD. Será que alguém ouve CD? Antigamente lembro do aparelho de ouvir CD, levava na minha mochila, ouvia quando chegava em algum lugar com meu headphone e achava que nunca mais ia sentir, ou minha audição ia chorar, com os chiados e engasgos do disco de vinil.

Hoje o disco de vinil tem seu espaço e a audição dos CDs está em queda.

 

CD em extinção – Ouvintes

Sempre há, em todos os processos de modernidade, os saudosistas, os apaixonados pela manutenção de uma época que infelizmente vai perdendo espaço para a subsequente. É isto que está acontecendo com o CD. Ainda recebo mensagens de amigos músicos que vão lançar CDs. Outro dia, um deixou um lote para que eu distribuísse.

 

Mas, ainda há os apaixonados que vêem no seu grupinho de amigos uma chance de audição do seu CD.

 

Isso é válido? Claro que é, cada um vive conforme seu nível cultural.

 

A queda dos ouvintes do CD – Streaming

O Cd obviamente cedeu lugar para o streaming estilo Spotify, Deezer, Google Play Music, Apple Music, Tidal entre outros.

 

De 2015 para 2016 conforme a Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD) (http://pro-musicabr.org.br/) a queda nas vendas de Cds foi de 43,2 %. A receita obtida com a venda de CDs gerou somente 22,8% dos lucros do mercado fonográfico do Brasil em 2016. Já os downloads e Streaming (este, o meio de consumo de música que mais cresce no mundo) representam 77,2% da receita.

 

De acordo com estudo realizado com pessoas entre 15 e 35 anos, 83% das pessoas ouvem música no celular e 76% no computador. Já 64% das pessoas escutam música enquanto estão se locomovendo. Com tamanha facilidade, mulheres ouvem em média sete horas de música por dia, enquanto os homens o fazem durante seis horas.

 

Hoje ninguém mais ouve CDs, sendo preteridos até pelos discos de vinil, tecnologia que buscava substituir. Mas é no Smartphone que a maioria das pessoas escuta música atualmente, de acordo com a pesquisa “All About Music”, realizado em parceria entre o site Vagalume e o instituto Catapani Associados.

 

CD em extinção – Cultura Alternativa

Todos querem participar do desenvolvimento tecnológico. Não são raras as vezes que no interior do Brasil, pessoas com poder aquisitivo e não, escutam música pelo celular. É inegável o crescimento do streaming.

 

Nós do Cultura Alternativa não temos onde ouvir CD. Com computadores adquiridos, notebooks, anualmente nos Estados Unidos, especificamente, na loja BH em Nova York, não há espaço para a leitura de CDs e sim de Pen Drives.

 

Nos carros hoje não vêm mais espaço para CDs e sim Pen Drives. Então buscamos diariamente a compreensão para se entrar em campanhas de arrecadação de verba para a realização de CDs por parte de uma pequena gama de músicos brasileiros.

 

Estes, deveriam sim, se especializar nos serviços de streaming e buscar caminhos diversos e diferenciados para sua música. Isto sim seria participar do mundo atual de forma destacada e à frente dos que preconizam a legitimação dos “tempos de outrora, tempos que não voltam mais”.

 

A queda dos ouvintes do CD – O respeito

É fundamental o respeito entre os seres humanos. Hoje, no Brasil, todos se desrespeitam ao questionar, todos são papas da inteligência e têm suas convicções políticas. O país de uma nação feliz, passou a ser, intelectual, engajada, cheia de conceitos e preconceitos, de debates e blá blá blás.

 

Não queremos com esta matéria, norteada de dados, descaracterizar ou criticar músicos e ouvintes e etc e tal que valorizam o CD. Queremos apenas como veículo de informação, constatar um fato e deste fato, gerar novas ideias e quem sabe mudanças em quem valoriza o passado em detrimento do presente e do futuro.

 

Viva a música, o músico, o Brasil, o ouvinte, mas, principalmente viva a informação e os rumos novos que batem à nossa porta. Não podemos continuar vivendo e eternizando um passado apenas porque amamos nossa época. Temos sim, que compreender e conjugar nossas ações com o presente e o futuro que está aqui, existe, e está por vir.

 

Os que se modernizam dia a dia, minuto a minuto, com certeza ocuparão papel de destaque na sociedade, no mundo profissional, e até arrisco dizer, no mundo sensorial, da sensibilidade, pois, saberão se comunicar, comunicar suas ações artísticas com o leitor, o receptor, o público, pois, a arte, assim como o jornalismo, necessita de público, de leitor.

 

Nós do Cultura Alternativa sempre vamos defender o dinamismo das nossas ações e investimentos.

 

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa

http://culturaalternativa.com.br/

LEIA TAMBÉM:

Musicalização para idosos, é possível aprender um instrumento na terceira idade

Música Introspectiva – Jazz Contemporâneo – Kristjan Randalu.