Cultura Alternativa Diálogos, Anand Rao e Zildenor Dourado, política e outros quitutes

Cultura Alternativa Diálogos. Anand Rao e Zildenor Dourado. Política e Outros Quitutes.

Cultura Alternativa Diálogos, Anand Rao e Zildenor Dourado, política e outros quitutes

 

O diálogo abaixo foi feito via messenger do Whatsapp. Leia até o final, tem opiniões e informações interessantes.

 

Meu nome é Anand Rao, tenho vários livros publicados de poemas, vários CDs lançados e sou Editor do Portal de Notícias Cultura Alternativa que é número um no Google frente a mais de 100 milhões de resultados. E você quem é? Fale um pouco da sua trajetória, e depois, vamos falar de política.

 

Eu sou Zildenor Dourado, sou jornalista e estou aposentado da Cãmara Legislativa do DF, onde trabalhei por mais de 22 anos como repórter e editor do portal de notícias daquela Casa. Sou graduado em Jornalismo e em Letras-Português, pela UnB. Atualmente, gasto meu tempo como cronista e gosto de analisar a política nacional, com colaborações para alguns sites de jornalismo.

 

Hoje é 03 de Outubro de 2018, quarta-feira, e as pesquisas, tanto Datafolha quanto Ibope, indicam crescimento de Bolsonaro e estagnação de Haddad. Os outros candidatos ocupam pouco espaço na mídia e Ciro Gomes, caracteriza-se como um frasista. Creio que esse crescimento se deve à não ida do candidato aos debates, pois, se ele estivesse presente poderia dar um fora como faz diariamente seu vice. À reação feminina ao movimento #elenão de mulheres silenciosas, muitas vezes mães que acham o país inseguro. Ao anti-petismo que Bolsonaro representa. À divulgação, pelo menos a da Datafolha pegou o dia posterior à divulgação de parte da delação do Palocci, o que eu achei estranho, confesso. E você, o que acha do crescimento de Bolsonaro, isso aconteceu porque?

 

Acredito que muitas pessoas, como eu, ficaram solidárias com toda aquela onda meio histérica contra o Bolsonaro, que está de molho, sem poder ir às ruas. Os eleitores que fizeram a manifestação do Ele Não fizeram um discurso voltado pra eles não, de dentro da própria bolha. Por outro lado, a grande maioria dos eleitores que não quer a volta do lulismo no País acabou assumindo de vez a candidatura do Bolsonaro como uma resposta à ameaça do Lula Livre, discurso que ficou evidente no Ele Não. Assim, o Ele Sim do Bolsonaro acabou sendo mais contundente do que o Ele Não, dos esquerdistas de sempre.

A gente não pode também deixar de considerar que nestes últimas dias de campanha o voto útil para derrotar o candidato do PT se torna mais vigoroso, com muitos eleitores de Amoedo e Alckmin e Meireles, por exemplo, optando logo por Bolsonaro no primeiro turno, para não dar chance de qualquer virada para o candidato do Lula. Uma medida defensiva: matar a cobra numa paulada só para tomar uma picada venenosa depois.

 

E a mídia? O Estado sinto é anti-petista. A Folha pró. O Correio, não sei. O JB não existe, só on line, e caiu muito sua atuação na sociedade. A Globo News, vejo o dia todo, e não sinto em sua divulgação que tenha uma posição definição, nas entrevistas senti que queriam as vezes até denegrir a maioria dos candidatos. Mas, nas matérias do dia a dia sinto uma certa isenção. Como você vê a mídia, há isenção, partidarização ou a tomada de lado por um veículo de mídia é normal? Eu, confesso, acho normalíssimo, portanto, a pessoa para ficar bem informada, deve ler pelo menos dois grandes veículos com linhas editoriais antagônicas.

 

Eu concordo quase que totalmente com vc. A gente vê que a Foilha de São Paulo está clarametne contra o Bolsonaro, assumindo viés petista, mesmo sem se colocar claramente na defesa do Lula. A Globo tenta passar uma ideia de imparcialidade e acaba tomando porrada dos dois lados. Nas entrevistas ficou claro que eles queriam “apertar” todos os candidatos. De todo modo, a cobertura dos eventos de campanha dos candidatos tem sido equilibrada, com boa distribuição do tempo dedicado a cada uma das candidatura. Mesmo com a Míriam Leitão odiando os militares, já colunistas da Globo News que não escondem o ódio ao Lula e a tudo que ele representa. Assim, não há como dizer que a emissora líder esteja privilegiando ninguém. Assim, acho que a grande batalha da comunicação está mesmo nas redes sociais, por meio de agentes políticos que fazem a militância virtual de seus candidatos. Acredito que esse é o verdadeiro marketing eleitoral que está motivando as pessoas a discutirem os fatos das candidaturas, inclusive com a reprodução de fakes em série, o que é perigoso e lamentável.

 

Outro detalhe que queria abordar é o horário político. Me parece, que é o horário que ninguém vê. Hoje com Facebook, Instagram, twitter, enfim, redes sociais, o horário político se tornou obsoleto. Prova disso é o Alckmin, que hoje, depois de semanas com o maior tempo, não fede nem cheira. Quem sabe trabalhar bem as redes sociais, you tube, Whatsapp, está a mil por hora, influenciando muito mais a sociedade do que os veículos tradicionais de comunicação. O medo atual dos veículos tradicionais de comunicação com relação às novas mídias é total e quem não estiver antenado vai dançar. O que você acha desta questão?

 

Exatamente isso, Anand, nos tempos atuais ninguém tem saco de ficar passivamente ouvindo discursos políticos na tevê, nem mesmo dos seus próprios candidatos. Na internet, como dizia Umberto Eco, os idiotas têm a mesma oportunidade de discutir suas ideias do que as pessoas normais… assim todo mundo quer se formador de opinião e reprodutor de “informações”. A gente vê que essa é uma arma poderosa a ser manipulada por grupos de pressão… geralmente que se sai bem são aqueles que conseguem viralizar, em curto espaço de tempo, suas denúncias contra os adversários. O interessante, acredito, é que geralmente é muito mais a comunicação do contra do que a favor. No meu particular, por exemplo, gosto de escrever meus posts políticos com humor e criatividade para fugir da mesmice. Mas há muita besteira soltar na rede sendo assimilada como verdadeira, além das grandes mentiras, de tudo que é lado… uma coisa muito difícil de se controlar, apesar das barreiras legais.

 

Por fim, ontem vi meu primeiro debate eleitoral. Primeiro, o horário é de matar, creio que grande parte da população que tem que trabalhar cedo não vê, será que isso é de propósito ou provavelmente é a velha máxima, a novela da globo determina todos os horários. Segundo, quando a mídia publica material sobre o debate, diz que foi morno e etc e tal quando não há denúncias e pau verbal. Eu, tentei ouvir sugestões e ideias sem embate, mas, não consegui. Te digo mesmo, prefiro me informar de diversas forma, mas, o debate de ontem não me informou nada. Lembro apenas do bate-boca entre o Fraga e o Ibaneis sobre grana, riqueza e blá blá blás. E você, o que acha do debate político, eleitoral, para governador, presidente, vi meu primeiro ontem e não sei se verei mais, pois, faço clipagem e leio 50 jornais por dia. E não gosto de embates e sim de debate educado, com respeito e proposta. Acho que faço parte de uma geração em extinção. E você como vê essa questão?

 

Penso também que os debates na televisão são bem chatos, o que revela o baixo nível dos candidatos, como acontece aqui no DF. Geralmente, em vez do debate de ideias o que prevalece é troca de acusações entre eles. E como quase todos são figurinhas da velha política local acaba saindo todo mundo ferido. Certamente, só mesmo os eleitores muito interessados por política é que costumam aguentar todo aquele festival discursivo sem desistir e ir para a cama. Dif´cil até dizer que alguém sai vencedor da disputa no vídeo pois geralmente o que se faz ali é o reforço de ideias já defendidas antes, sem muitas novidades. O de ontem mesmo ficou todo mundo querendo bater no líder das pesquisas, o Ibaneis, mas que até agora só é conhecido por ter sido presidente da OAB-DF. Acho que o debate televisivo, aqui e em outros estados, é mais um evento superficial da democracia, mas que não muda muito a situação eleitoral, onde se realiza.

 

Algo mais mestre, eu cansei, política como dizia Magalhães Pinto é que nuvem, agente olha, tá de um jeito, olha de novo, tá de outro (risos). Obrigado pelo diálogo e pergunto se queres acrescentar algo a este papo.

 

Eu que agradeço Anand mais essa oportunidade de trocar ideias com vc por aqui., Anand. Estarei sempre à disposição. E se houver nova disputa no segundo turno será grande prazer esse bate papo sobre as eleições… entre nós, que maravilha, não tem jogo sujo!

 

Redação Cultura Alternativa

http://www.culturaalternativa.com.br/