Dia Mundial do Compositor

O Dia Mundial do Compositor é comemorado anualmente em 15 de janeiro.

 A data homenageia todos os compositores do mundo, especialmente ao seu trabalho e esforço para compor, escrever e criar músicas.

Os compositores são verdadeiros artistas, que utilizam o domínio da técnica das notas musicais para criar melodias, e toda a criatividade e sensibilidade para escrever canções que emocionam e animam multidões de pessoas.

Origem do Dia Mundial do Compositor

O Dia Mundial do Compositor surgiu pela primeira vez no México, como uma comemoração da fundação da Sociedade de Autores e Compositores do México (SACM), em 15 de janeiro de 1945.

No entanto, esta data só é oficialmente celebrada no mundo desde 1983.

Dia do Compositor Brasileiro

O Brasil é um país muito rico de bons compositores e música de qualidade, como se presencia em movimentos como a Bossa Nova e a MPB – Música Popular Brasileira.

Para homenagear os gênios da música nacional, no Brasil se comemora o Dia do Compositor Brasileiro, em 7 de outubro.

Entre os principais compositores brasileiros está Heitor Villa-Lobos, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Caetano Veloso, Noel Rosa, Chico Buarque, Cartola, João Gilberto e muitos outros nomes que ficaram para a história da cultura musical nacional.

Compositores de Música Popular Brasileira

Elis Regina

Elis Regina reúne consenso entre os amantes de música como a maior cantora brasileira de todos os tempos. Nascida em Porto Alegre a 17 de Março de 1945, faleceu apenas com 36 anos em São Paulo, no dia 19 de Janeiro de 1982.

Elis era dona de uma voz única e especial, e tal como muitos outros cantores brasileiros, consagrou-se nos festivais de Música Popular Brasileira em São Paulo a partir de 1966.

Elis Regina era conhecida pela forma especial como cantava, sempre cheia de alma que comovia seus ouvintes.

Tim Maia

Tim Maia é considerado com o Rei da Música Soul no Brasil e um dos principais pioneiros da música popular brasileira. Tim era dono de uma voz incrível e era um cantor extremamente talentoso, como nunca tinha aparecido nenhum antes.

Tim Maia faleceu em 1998 e deixou um grande vazio na música popular brasileira.

Wilson Simonal

Wilson Simonal é uma figura contagiante e um nome incontornável da música popular brasileira. Era um homem de espetáculos com uma voz e um carisma impressionantes. Subiu a pulso na vida, nunca se deixando ir abaixo pelo preconceito de ter nascido negro e pobre. Teve anos bastante duros durante a ditadura militar no Brasil.

Chico Buarque

Precisa de palavras para descrever este artista lendário? Francisco Buarque Hollanda, mais conhecido como Chico Buarque, é oriundo do Rio de Janeiro e um dos maiores nomes associados à música popular brasileira.

Buarque é músico, escritor e dramaturgo. Apesar de ser mais conhecido por suas músicas, algumas das suas obras teatrais são: Calabar, Roda Viva, Ópera do Malandro; na literatura Estorvo, Benjamim, Budapeste, Leite Derramado. Confira em baixo algumas das suas músicas mais famosas.

Ney Matogrosso

Diz-se que Ney Matogrosso é mais influente do que todos os outros artistas do gênero por ser um excepcional cantor dono de uma vez sem comparação. Ele faz uso da garganta e do corpo como mais ninguém é capaz, deliciando todos os amantes da música popular brasileira e não só. Ney Matogrosso começou a fazer sucesso desde muito cedo, quando ainda integrava a banda Secos e Molhados.

Caetano Veloso

Caetano Veloso nasceu a 7 de Agosto de 1942 e é um baiano de gema e irmão de Maria Bethânia, outro nome incontornável da música popular brasileira como veremos de seguida.

Veloso é música, produtor e escritor e é um dos nomes mais conceituados do gênero, juntamente com sua irmã. Tal como outros nomes consagrados do gênero, os dois participaram nos Festivais de Música Popular Brasileira da Record nos finais dos anos 60.

Algumas das suas melhores obras são: Alegria, alegria, É Proibido Proibir, No dia em que vim-me embora, Tropicália, Soy loco por ti América, Superbacana, Trem das cores, Tigresa, Terra, Oração ao tempo, Beleza pura, Cajuína, dentre outras com veremos em baixo.

Maria Bethânia

Maria Bethânia, como já vimos ser irmã de Caetano Veloso, é conhecida por ser bastante recatada e gostar de ficar longe dos holofotes da fama. A sua vocação natural para maravilhar os outros com suas canções faz dela uma artista simplesmente fantástica e que alegra o dia de qualquer um.

Foi uma das cantoras mais influentes da década de 60 e ainda hoje é considerada como uma referência da música popular brasileira, ao ponto de ter sido considerada a 5ª maior voz da música popular brasileira pela revista “Rolling Stones”. Algumas das suas músicas mais conhecidas são:

Gal Costa

Maria da Graça Costa Penna Burgos, mais conhecida como Gal Costa, nasceu em Salvador em 1945 e é uma cantora famosa de música popular brasileira. Juntamente com Caetano Veloso, Maria Bethânia e outros, tornou-se num dos nomes mais conhecidos deste estilo musical.

Sua carreira não começou da melhor forma, participou no I Festival da Canção em 1966 com a música Minha Senhora, que não teve grande sucesso.

A partir daí começou a ter mais influência e hoje aos 70 anos ainda é considerada uma das maiores fontes de inspiração para os amantes de música popular brasileira.

Nelson Gonçalves

Nelson Gonçalves – seu nome próprio é Antônio Gonçalves Sobral – nasceu em 1919 no Rio de Janeiro e faleceu a 18 de Abril de 1998 – foi um dos maiores cantores e compositores de música popular brasileira. Vendeu mais de 75 milhões de cópia, ficando apenas aquém do consagrado Roberto Carlos.

Sua vida está cheia de curiosidades. Nelson Gonçalves cresceu pobre e quando era criança tocava em feiras para sustentar a família.

Além disso, fazia outros serviços e fingia ser cego enquanto tocava violino para ganhar mais algumas gorjetas. Além de ser cantor, Nelson tornou-se lutador de boxe e aos dezasseis anos ganhou o título de campeão paulista.

Emílio Santiago

Emilio Santiago (1946-2013) foi um grande cantor de música popular brasileira e muitos especialistas afirmaram que tinha a voz mais “perfeita” do Brasil.

Santiago começou por querer ser advogado, depois diplomata até começar a cantar nos bares da faculdade. Emílio não tinha vontade de se tornar num cantor profissional nem considerava essa hipótese, mas após vencer um concurso de música, o seu “bichinho” para esta área acabou por aparecer. Faleceu em 2013 após sofrer um AVC.

 

.