Portuguese English Spanish
Segunda, 04 Dezembro 2017 08:48

Ferreira Gullar, do poema sujo ao poeta límpido

Maior poeta de sua geração

“O que se foi se foi", escreve Ferreira Gullar, falecido ano passado.

E obviamente o poema O que se foi, deste que foi o seu último livro de inéditos, não acaba por aí, muito menos o maranhense José Ribamar Ferreira: "O que se foi se foi. Se algo ainda perdura é só a amarga marca na paisagem escura.

Se o que se foi regressa, traz um erro fatal: falta-lhe simplesmente ser real. Portanto, o que se foi, se volta, é feito morte. Então por que me faz o coração bater tão forte?”.

Um obituário de Ferreira Gullar poderia ser composto apenas de trechos de sua obra, como comprova esta passagem de seu célebre Poema Sujo (José Olympio, 1976): "Corpo que se para de funcionar provoca um grave acontecimento na família: sem ele não há José Ribamar Ferreira, não há Ferreira Gullar e muitas pequenas coisas acontecidas no planeta estarão esquecidas para sempre". Mas é preciso informar que o corpo do poeta, ensaísta, dramaturgo e crítico de arte será velado às 17h deste domingo na Biblioteca Nacional, e às 9h de segunda-feira na sede Academia Brasileira de Letras (ABL), onde Gullar assumiu uma cadeira no final de 2014, após passar anos dizendo que nunca o faria.

Ao tomar posse na ABL, em dezembro daquele ano, o poeta não se esquivou da polêmica. "Como minha vida tem se caracterizado não pelo previsível, mas pelo inesperado, ao decidir-me pela candidatura à que nunca aspirei, agi como sempre agi, ou seja, optar pelo imprevisível. Estou feliz da vida, uma vez que, aos 84 anos de idade, começo uma nova aventura pelo inesperado que a algum lugar desconhecido há de levar-me. Pode alguém se espantar ao me ouvir dizer que posso encontrar o novo nesta casa que é o reduto próprio da tradição. E pode ser que esteja certo. Não obstante, como na vida, em qualquer lugar, em qualquer momento, o inesperado pode acontecer".

"Inesperado" é uma boa palavra para definir um homem que foi membro do Partido Comunista e que passou os últimos anos de sua vida escrevendo artigos para criticar a agenda socialista. Gullar exilou-se na União Soviética, na Argentina e no Chile durante a década de 1970, enquanto o Brasil era governado por uma ditadura militar, e chegou a ser preso quando retornou a sua pátria, em 1977. Em trecho de poema do poema Cantada, o maranhense escreveu uma ode à Revolução Cubana: "Olha, você é tão bonita quanto o Rio de Janeiro em maio e quase tão bonita quanto a Revolução Cubana".

Gullar não se furtou a criticar os rumos de regimes de esquerda do mundo inteiro, vaticinando que "o socialismo fracassou". Em entrevista concedida à revista Veja em 2011, resumiu seu ponto sobre o assunto. "Eu, de direita? Era só o que faltava. A questão é muito clara. Quando ser de esquerda dava cadeia, ninguém era. Agora que dá prêmio, todo mundo é. Pensar isso a meu respeito não é honesto. Porque o que estou dizendo é que o socialismo acabou, estabeleceu ditaduras, não criou democracia em lugar algum e matou gente em quantidade. Isso tudo é verdade. Não estou inventando".

 

 

 

Fonte brasil.elpais

Deixe um comentário

Receba nossas atualizações e notícas

Todos os direitos reservados Portal Cultura Alternativa. Site por Alvetti.com