Welcome to Cultura Alternativa   Click to listen highlighted text! Welcome to Cultura Alternativa
All for Joomla All for Webmasters

Poesia Candanga

 

POESIA CANDANGA

Por Sandra Fayad

 

Ontem, dia 26 de novembro, ocorreu mais um encontro lúdico dos poetas de Brasília. Nem sempre é possível reunir a totalidade do grupo. Há os que são mais assíduos, e há também os que faltam aos encontros por questões pontuais.  Mas havia uma boa representatividade. Estavam lá: Rego Junior, Daniel Pedro, Joãozinho da Vila Planalto, Jorge Amâncio, Marcos Freitas, Amneres Santiago de Brito Pereira, Geraldo de Oliveira, Anabe Lopes, Nicolas Behr, Noélia Ribeiro, Lydia Garcia, Marina Andrade e mais alguns que participaram do evento “Poemação”. Encontrei-me ainda no interior da Feira do Livro com Giovani Iemini, Gacy Simas, Raúl Ernesto Larossa Ballesta, Betta Doelinger, Lilia Diniz, José Garcia Caiano ( o Dedé), Isolda Marinho, Marcos Linhares, Gustavo Dourado.

Geralmente esses encontros ocorrem de forma espontânea em torno de eventos como o “Poemação”, que Jorge Amâncio e Marcos Freitas coordenam mensalmente há mais ou menos cinco anos, enfrentando diversas dificuldades de espaço, conforto e condições técnicas.  Inicialmente o evento acontecia no auditório da Biblioteca Nacional de Brasília, que fica no 2º andar daquele prédio. Quando o público estava se acostumando a comparecer rotineiramente, o espaço lhes foi subtraído.

Já dizia Fernando Pessoa: “Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma.”

Alguns meses depois Jorge Amâncio e Marcos Freias conseguiram levar o evento para dentro do auditório do Centro Cultural Darcy Ribeiro, que fica ao lado da Reitoria da UNB. Uma beleza de local, porém pouco conhecido.  Com o público diminuído, passou a ser realizado do lado de fora do auditório, onde agora já não cabe tanta gente interessada.

Ontem, foi a vez de realizá-lo na tenda “Circo”, ao lado da Biblioteca Nacional de Brasília, local sem conforto, isolado da 31ª Feira do Livro, que ocorre de 23/11 a 01/12/2013.

Mas o poeta José de Alencar afirma: “A vida é luta renhida, que aos fracos abate, e aos fortes, só faz exaltar.”

O local não teve a menor importância para nós, resistentes poetas candangos. Fomos para lá na maior animação, declamamos poesia, ouvimos música, nos confraternizamos como se estivemos em um real Palácio Real. O ambiente democrático, a história da poesia de Brasília ao longo do tempo contada aos poucos por Jorge Amâncio e Marcos Freitas e o espetáculo, que incluiu até um flautista morador de rua, deu-me a certeza de que nada, em tempo algum, nos afastará do nosso propósito de união em torno da beleza das palavras de amor, fé, protesto e da esperança de que a poesia seja reconhecida como uma das artes mais importantes que a cidade dispõe.

Cecília Meireles confirma: “Um poeta é sempre irmão do vento e da água: deixa seu ritmo por onde passa.”

sandrafayad.prosaeverso.net

Click to listen highlighted text!