Quer emagrecer sem ter que abrir mão da bebida favorita?

emagrecer, emagrecimento

Emagrecimento x Álcool: é possível beber sem atrapalhar a perda de peso?

Quer emagrecer sem ter que abrir mão da bebida favorita?

Saiba a melhor maneira de consumir álcool nesta situação


Adotar hábitos saudáveis pode ser um tanto quanto complicado para algumas pessoas, principalmente se esta for adepta à famosa “cervejinha” ou gostar de tomar alguns drinks com os amigos no fim de semana.

Com a Copa do Mundo e os jogos que viram verdadeiros eventos se aproximando, fazer escolhas boas fica ainda mais difícil, principalmente se o objetivo for o emagrecimento.

O álcool costuma desacelerar o metabolismo, além de ser calórico e ter quase zero vitaminas, minerais ou nutrientes.

Então, se você estiver em um processo de emagrecimento, a única saída é cortar totalmente o álcool e deixar de socializar para não correr o risco de cair na tentação? Não necessariamente.

De acordo com o nutricionista Daniel Novais, o segredo é o equilíbrio. “Se você tirar um fim de semana para sair e beber, todo o seu esforço não vai por água a baixo.

Mas também não se pode achar que dá para esquecer a dieta e beber com muita frequência. A conta não fecha”, explica.

O profissional também deixa o alerta para os petiscos, que geralmente vêm acompanhados das bebidas.  “Tem que ficar atento para não cair na tentação das frituras e afins”, diz.

Confira a melhor forma de consumir cada bebida sem prejudicar tanto seus resultados.



Cerveja


Tanto para a cerveja, quanto para qualquer outra bebida, as maiores dicas são: moderação e bastante água.

Além de tomar cuidado com a quantidade, é sempre bom intercalar os copos de cerveja com copos d’água.

Desta forma você diminui as calorias ingeridas e mantém seu corpo hidratado, o que evita a ressaca no dia seguinte.

Beber devagar também pode ajudar, já que o fígado leva por volta de uma hora para processar a bebida. “Bebendo em um período menor que esse, o organismo tem sua capacidade de queimar gordura diminuída”, explica Daniel.

Outra dica é optar por cervejas puro malte, que não contém cereais não maltados nos ingredientes (como arroz e milho).

Uma latinha de cerveja tem em média 130 calorias, o que equivale a mais ou menos um pão francês.

Apesar de outras bebidas serem mais calóricas, a questão é que geralmente as pessoas que optam pela cervejinha, acabam consumindo uma quantidade maior da bebida do que se estivessem bebendo um vinho ou outro destilado.



Vinho


São muitas as pessoas que incluem o vinho em seus happy hours e até mesmo no dia a dia, principalmente agora, que o inverno se aproxima.

Diferente da cerveja, o vinho é “menos inimigo” da dieta por conta da quantidade de calorias, mas é importante não exagerar.

Consumida com moderação, a bebida pode até trazer benefícios. “Os fitoquímicos presentes o vinho podem prevenir processos inflamatórios, reduzir riscos de doenças vasculares, entre outras coisas”, entrega o nutricionista.

A dica é optar por vinhos secos. Além de serem menos calóricos, as pessoas tendem a beber menos quando optam por este tipo



Vodka


A vodka pura não tem calorias o suficiente para arruinar uma dieta. Neste caso, os ingredientes que acompanham o destilado russo é que são os grandes vilões.

Muitos drinks vêm carregados de açúcar, seja refinado ou em forma de xaropes e energéticos, leite condensado, refrigerantes e afins

Logo, a solução para os bebedores de vodka seria buscar acompanhamentos menos calóricos.

 

“Pedir caipiroscas sem açúcar, misturar vodka com energético sugar free ou sucos mais naturais e sem adição de açúcar pode suavizar os efeitos do drink no resultado da dieta”, sugere Daniel.



Whisky


O caso do whisky é quase o mesmo da vodka, ou seja, são os acompanhamentos os que trazem mais calorias, como refrigerante ou água de coco com adição de açúcar.

A vantagem do whisky é ser uma bebida mais comum de se tomar pura ou somente com gelo. “O fato de ser uma bebida muito forte também ajuda na ingestão de menores quantidades, o que soma um ponto a mais para o destilado”, destaca.

Cachaça


Para finalizar, a “queridinha” dos brasileiros. Em seu processo de fermentação, o açúcar da cachaça se converte totalmente em álcool, o que faz com que muitas pessoas a considerem uma bebida low carb.

Sem contar que a quantidade de calorias contidas em uma dose de cachaça é menor que as contidas em uma dose de vodka.

Como todos os destilados, o cuidado especial aqui vai também para os outros ingredientes.

“Não adianta a cachaça ser low carb ou ter poucas calorias quando metade de um copo de caipirinha é composto por açúcar”, lembra Daniel.

Busque acompanhamentos menos calóricos ou opte pela versão pura. Mas vale lembrar, pela dieta e pela saúde: beba com moderação.

Dieta e festas de fim de ano: como lidar?