Welcome to Cultura Alternativa   Click to listen highlighted text! Welcome to Cultura Alternativa
All for Joomla All for Webmasters

Relação entre a obesidade e o bullying

a obesidade e o bullyingAsian Boy crying in library room school

No dia Nacional de Combate ao Bullying, 7 de abril, é importante falar sobre saúde e obesidade.

 

Crianças e jovens acima do peso, em sua maioria, sofrem com insultos e apelidos maldosos

De acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), no Brasil, aproximadamente, um em cada dez estudantes é vítima de bullying na escola.

 

A obesidade e o bullying – Estatísticas 

E, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma em cada três crianças, está com o peso acima do ideal para a idade e altura. Sendo essas, as mais atacadas com insultos e apelidos, afetando a autoestima, desempenho escolar, além de outros problemas mais sérios.

A psicóloga Lia Clerot alerta que a obesidade entre jovens e crianças pode estar associada à depressão, estresse e ansiedade. “A criança que está acima do peso, muitas vezes sofre de algum distúrbio psicológico, o que pode dificultar até mesmo na socialização com os colegas na escola e nas atividades extracurriculares”, explica.

Lia também ressalta que os pais precisam ficar atento às alterações emocionais ou mudanças de comportamento. “Alguns sinais como: tristeza, isolamento, auto cobrança apontam que algo está errado”, alerta.

Este é o caso da Manuelle Simões, de 10 anos. “Nós tivemos que trocá-la de escola, por falta de adaptação”, diz Ester Guedes, mãe da menina.

 

Saúde e bem-estar

A especialista em emagrecimento Ana Carolina explica que há métodos, como o 5S kids, indicado para crianças de 5 a 13 anos, que precisam perder peso.

“Durante o processo, elas têm acompanhamento nutricional e psicológico mais a suplementação de: ômega 3 e um poli vitamínico.

O tratamento é lúdico, adaptado às necessidades de cada um”, ressalta Ana Carolina.

Além de tratar a obesidade infantil, a especialista garante que o processo de reeducação ajuda a combater maus hábitos alimentares e inclusive previne doenças, como: hipertensão e diabetes.

 Segundo Ester, a participação da família foi um dos processos importantes na mudança alimentar da filha. “Nós tivemos que adquirir hábitos saudáveis para ajudar a Manuelle no processo de emagrecimento”, afirma.

“Se o objetivo é que a criança perca peso, sempre procure um profissional de saúde, pois ele quem vai ajudar a conciliar a rotina com um estilo de vida saudável”, finaliza a sócia-proprietária da D’ella Candia – Medicina Estética e Emagrecimento

 

 

Beleza Interior e Exterior – Crianças e Adultos tem os dois lados

Brasileira lança aplicativo para alfabetização de crianças com autismo

Click to listen highlighted text!