Welcome to Cultura Alternativa   Click to listen highlighted text! Welcome to Cultura Alternativa
All for Joomla All for Webmasters

‘Sintetizamor’, a usina dançante de João Donato e Donatinho

O convite irrecusável, expresso na voz sussurrada e inconfundível de João Donato e seguido por um hilário “nightclub”, serve de abre-alas para as dez composições reunidas em Sintetizamor.

Álbum, que marca a parceria entre o pianista, cantor, compositor e arranjador acriano e seu filho, foi um dos destaques de 2017

“Em instantes dancem, sim?!”.

Recém-lançado, o álbum resulta da parceria entre o veterano artista acriano, um dos maiores tesouros de nossa música, e seu filho, o compositor, produtor e multi-instrumentista Donatinho, 33, que, egresso da cena de live PAs da música eletrônica da segunda metade da década de 2000, lançou, em 2014, seu primeiro trabalho solo, Zambê, título que, no ano seguinte, conquistou o Prêmio da Música Brasileira na categoria Melhor Álbum Eletrônico.

Escrita por Donato, Donatinho e Davi Moraes, De Toda Maneira, a canção citada no início deste texto, dá pistas de sobra do que virá depois. Além de contar com uma feliz profusão de parcerias nas vozes e nas letras (Domenico Lancelotti, Gabriela Riley, Jonas Sá, Ronaldo Bastos, Jean Kuperman, João Capdeville, Rogê e Julia Bosco, esposa de Donatinho), Sintetizamor é também impregnado de texturas eletrônicas e beats capazes de exterminar qualquer possibilidade de inércia humana. Uma usina dançante equipada com “reatores” polifônicos revestidos de timbres analógicos e osciloscópicos de sintetizadores, synth-basses e programações eletrônicas; talkboxes e vocoders que remetem ao saudoso Zapp de Roger Troutman; além de um manancial de acordes e solos de piano elétrico (claro, o clássico Fender Rhodes, consagrado em terras brasileiras em Quem é Quem, a obra-prima de 1973 que revelou o canto sereno e suave de João).

Infalível, em meio às melodias e letras que imediatamente grudam na cabeça, a receita processada por Donatão e Donatinho remete a uma fase solar da música popular mundial, iniciada com a utilização de recursos elétricos e eletrônicos no período de ascensão dos chamados jazz-funk e jazz-fusion. Transição escancarada em um sem-número de álbuns produzidos pela dupla Mizell Brothers e títulos divisores como Headhunters (1973), de Herbie Hancock – álbum que, aliás 1., despertou a paixão de Donatinho pelas teclas pretas e brancas quando ele era um garoto de 12 anos de idade; Hancock que, aliás 2., é homenageado na segunda faixa, Surreal. Com pequenas variações climáticas – sobretudo nas três últimas faixas, Vamos Fugir à FrancesaIlusão de Nós e Hao Chi, mais intimistas – Sintetizamor persegue também estéticas consagradas no decênio 1975-1985 para reprocessar elementos do melhor da disco music, do disco funk, do synth-pop e do boogie.

Sobre esse último gênero citado no parágrafo anterior, aliás, é inegável a associação da usina sintética de Donatão e Donatinho com certa produção brasileira do primeiro quinquênio dos anos 1980 hoje cultuada nos Estados Unidos e na Europa como “Brazilian Boogie”. Faixas como Quem é QuemInterstellar e A Lei do Amor (carro-chefe do álbum, que imediatamente arrebatou o público assim que foi divulgada no começo de junho último) dialogam diretamente com certo imaginário musical daquele Brasil às vésperas da redemocratização, uma nação, impregnada de espírito jovem e entusiasmada com seu futuro, que foi tomada de assalto nas rádios FM do eixo Sudeste com hits como Estrelar, de Marcos Valle (outro gigante de nossa música, que havia recém-voltado ao País depois de cinco anos radicado em Los Angeles),Aleluia, da onipresente dupla Robson Jorge e Lincoln Olivetti, Festa Funk, de Almir Ricardi, Rio, Sinal Verde, de Junior Mendes, e Olhos Coloridos, de Sandra de Sá.

Com capa e ilustrações especialmente produzidas pelo brasileiro Allan Jeff, ás das HQs que brilha no exterior em publicações de gigantes como a DC Comics, Sintetizamor foi integralmente gravado no estúdio Synth Love, de Donatinho. Além dos já citados Davi Moraes e Rogê (guitarras), Julia Bosco e Gabriela Riley (vocais), os arranjos também contaram com os seguintes músicos e intérpretes: Marcelo Amaro (shaker e afoxé), Marlon Sette (trombone), Diego Gomes (trompete), Ricardo Pontes (flauta), Pedro Dantas (baixo), Leonardo Vieira (guitarra), Felipe Pinaud (guitarra), Maria Joana (vocais) e Fernanda Sung, que recita Hao Chi (em tradução livre “delicioso”), poema de Julia Bosco que foi vertido para o chinês.

Também no início de junho, quando foi divulgada a faixa Quem é Quem, o DJ nova-iorquino Greg Caz, notório apaixonado por nossa música, repercutiu a novidade com um comentário divertido – e ao mesmo tempo sintético – em sua página pessoal no Facebook: “Quando um lançamento brasileiro é anunciado, há uma tendência em muitos lugares, particularmente no Reino Unido, de o texto começar com as seguintes palavras ‘em tempo para o Verão, aqui está o novo álbum de…’. É um clichê engraçado, mas, neste caso, não poderia ser mais apropriado. Senhoras e senhores, em tempo para o Verão: The Donatos!!!”. No encerramento da apresentação de Sintetizamor, trabalho aventado havia anos por ele e seu pai, Donatinho esclarece alguns aspectos do álbum: “Este é um disco de pai para filho, de filho para pai, de nós para vocês. Sintetizamor é isso: música feita com sintetizador, que, ao invés de sintetizar dor, sintetiza o amor”, conclui.

Neste Brasil sombrio e rachado de 2017, o hedonismo dançante, luminar e festivo registrado em Sintetizamor tem certa força involuntária de servir como válvula-de-escape mais que bem-vinda para atenuar a atmosfera de melancolia vigente. O baile no palco da comedoria do Sesc Belenzinho, capitaneado por Donatão – que no próximo dia 17 completará 83 anos, pleno de juventude e vigor criativo – e Donatinho, não deve deixar dúvidas desse potencial.

Ouça A Lei do Amor, a quinta faixa do álbum Sintetizamor, que pode ser comprado aqui

Brasileiros

Click to listen highlighted text!