All for Joomla All for Webmasters

Wesley D’Amico – Um artista e suas múltiplas artes

 Wesley D'Amico

Um artista e suas misturas, assim conheci o Wesley D’Amico

Trocamos mensagens e por está viajando solicitei que respondesse ao bate papo abaixo.

Segue as perguntas

 

Quem é Wesley D’Amico e qual sua formação acadêmica?

 

Sempre me pego com isso, Quem sou, o que sei e ainda o que tornarei, do que sou capaz, tenho 40 anos, e não sei quem sou, fui construído pela experiência que  meus pais tiveram, e me ensinaram, mas o mundo mudou muito, esta tudo mais fácil, porem muitos não aproveitam, eu procuro aproveitar o máximo das coisas e retirar tudo que ela pode oferecer, e ainda estudar porque isso acontece, sou criativo, aos 5 anos desmontava meus brinquedos para ver como funciona, e criava outras coisas com as peças, sou sonhador, quero desistir todos os dias, continuar é dolorido, mas algo dentro de mim não me deixa parar, não tenho formação pois meus pais não tem condições para financiar estudos, e ate hoje ainda divido minha vida com a mecânica, sou mecânico de carros, preciso do dinheiro da mecânica para financiar a arte, pois a mesma não vende.

Como a arte foi descoberta em sua vida? E o que ela representa para você?

 

Nunca imaginei ser um artista, ela entrou na minha vida por um milagre, Deus quis que Eu fosse o que sou hoje, vou contar melhor em um texto que deixo em anexo, a arte representa para mim uma vida, pois eu tinha uma vida preto e branco da GRAXA, isso mesmo, graxa e não graça de DEUS, agora tenho uma vida e uma vida colorida.

A arte deve ser sempre reinventada?

 

Não, só reinventei a minha porque as primeiras não vendia, as segundas reinvenções também não e assim por diante, acho que quando eu vender ai paro de reinventar. Mas esta no sangue a criatividade, vejo em algo simples e jogado em um canto morto, algo que pode ser visto, então estarei sempre me reinventando.

Como é o seu processo criativo em si? O que te inspira?

 

Usar sempre matérias que são jogado fora, sem uso, mas depende do mercado, muitos não querem um banco feito de pneus velhos, querem algo de inox ou alumínio, trabalho com quase tudo, madeira, ferro, fundição, resina, plástico, papel, sucata, o que me inspira é usar ao máximo minha capacidade messe momento e nesse ambiente, nesse local e nesse momento, hoje já não preciso de revistas e passear por lojas, mas antes precisei sim, e busquei em outros.

Assisti seu vídeo colocando fogo em tela. Você se considera um excêntrico? 

 

Muitos me jugam de esquisito, não sei se sou excêntrico, faço para ser diferente, para se destacar, para vender, para chamar a atenção. Se isso for excêntrico, então eu sou.  Mas não faço coisas bizarras, bom colocar fogo em um quadro único, seila, pode ser bizarro, rsrs, ainda estou me descobrindo, tento não ser ridículo, mas quebrar uma escultura posso ser considerado um ridículo. Mas esse quadro tem um mistério.

Quais as técnicas que você usa para exprimir suas emoções?

 

Conversar com DEUS, ele nunca responde, não entendi direito o que seria exprimir minhas emoções, mas tenho tudo dentro de mim, ódio, raiva, inveja, solidão, insanidade, amor, carinho, afeto, compaixão, misturo tudo isso e coloco na tela, junto com uma moto serra, uma mareta, fogo. Não sei se deve mencionar isso, mas não fumo, não cheiro e nem bebo, seila se outros artista usam qualquer coisas para ter inspiração, Eu mesmo vago em minha consciência.

No mundo das artes quais suas inspirações? Qual artista te inspira?

 

Nenhum, não gosto de nenhum, os bons que vendem me da inveja, os mortos, só vendem porque morreram, o os detalhista, tenho inveja porque são melhores que os meus, depois que descobri o que tem por trás da arte não gosto de artistas e de buscar inspiração com eles. Principalmente que ele vai falar Eu que ensinei o Wesley, olha é simples, quem ensina o professor, é outro professor, isso é infinito, então não busco inspiração em aluno.

Suas principais exposições nacionais e internacionais e suas premiações?

Prefiro minha premiação em dinheiro, disse meu amigo artista Nory figueiredo, ninguém quer minha arte, tenho que dar e pagar o frete, levei um ano para dar uma escultura e dois meses para dar 60 quadros, já tive comentários que Eu nunca sairei da mecânica fazendo bandeirinha, micro quadro, artista e vagabundo.

Moro ao redor de pessoas que podem levar minha arte ao topo, mas nem comenta, não curte e nem compartilham, olha não é só comigo, participo de grupos de arte onde muitos não tem curtidas e nem comentários, complicado, mas quando a mesma tem nome, as pessoas vende suas casas para comprar uma tela…não é o meu caso.

 

Wesley D’Amico nas redes sociais

Facebook: www.facebook.com/wesley.damico

Agnes Adusumilli

Editora do Cultura Alternativa