A crise vai ficar pior do que se previa

Artigo de Emanuel Pessoa - A crise vai ficar pior do que se previa

Artigo de Emanuel Pessoa

Em maio, os Estados Unidos surpreenderam, gerando 2,5 milhões de novos empregos e reduzindo o índice de desemprego para 13,3%.

Em contrapartida, no Brasil, após serem eliminadas cerca de 8,6 milhões de postos de trabalho (formais e informais) em abril, a expectativa é que os números de maio sejam ainda piores no país, atingindo com mais força os empregos formais e de maior remuneração.

A recuperação dos postos de trabalho deve ocorrer apenas no último trimestre do ano.

O que explica essa diferença toda no ritmo de recuperação de dois países que foram atingidos mais ou menos no mesmo período? Aponto aqui alguns fatores

O primeiro é a instabilidade. Embora haja uma certa discordância entre o Governo Federal e os Estados norte-americanos, a resposta destes foi quase que unânime, sendo que lá, os Governadores têm muito mais poder para impor suas decisões, principalmente no quesito financeiro.

Artigo de Emanuel Pessoa – A crise vai ficar pior do que se previa

No Brasil, vivemos uma disputa política o que torna muito mais difícil as decisões e as previsões sobre quando a epidemia estará controlada. Esse cenário faz com que tenhamos um recuo do apetite dos investidores locais e estrangeiros.

Temos também a burocracia. A situação é tão dramática no Brasil, que já chegamos a ter um Ministério da Desburocratização. Qualquer pessoa no Brasil é capaz de contar uma história em que a burocracia atrapalhou sua vida de maneira altamente desnecessária.

Vou me deter em um caso que é particularmente importante na crise: a demissão e contratação. Quem já esteve envolvido com essas atividades, sabe o quão penosas elas são.

Inúmeros formulários, guias, sindicatos, verbas variadas e a constante possibilidade de ir parar na Justiça do Trabalho mesmo quando fez tudo certo.

Nos Estados Unidos, a demissão envolve basicamente o pagamento do saldo de salários e, em alguns casos bem definidos, o pagamento de direitos legais ou contratuais. Para contratar, basta colocar na porta uma plaquinha escrita “HELP WANTED”.

Os Estados Unidos podem se dar ao luxo de elevar sua já alta dívida pública e criar programas generosos de manutenção de empregos e de empresas. No Brasil isso não é possível e, mesmo se fosse, o Congresso tem um terrível hábito de desvirtuar as melhores propostas.

Não é à toa que a curva da crise nos Estados Unidos será uma curva em V, tal qual os outros choques econômicos causados por pandemias de gripe ao longo do século XX. 

A economia sofreu uma contração temporária, neste caso, muito severa, que vai ser seguida de uma forte recuperação econômica, de modo que o nível de crescimento da economia vai voltar ao ritmo anterior da crise.

Já o Brasil deve mesmo experimentar uma crise em U. Nesse tipo de crise, a riqueza que viria a ser criada no futuro é destruída porque a economia não retorna ao ritmo pré-crise. O ritmo de retoma é lento e as consequência perduram.

Artigo de Emanuel Pessoa – A crise vai ficar pior do que se previa

Devemos ter cuidado para que nossas fragilidades não aprofundem a crise econômica. Nesse caso, ela pode assumir um formato de L, com a destruição crescente de valor futuro, reduzindo o ritmo de crescimento dos próximos anos de forma consistente.

Como dificilmente conseguiremos eliminar a burocracia nos próximos meses, com o potencial de decisões judiciais em contrário e, como o Brasil não conta com a boa vontade do mundo, de financiar sua dívida pública a juros praticamente zero, como ocorre com os Estados Unidos, o que nos restaria seria a criação de um ambiente de estabilidade política, dando segurança aos empreendedores, investidores e profissionais liberais para criarem os empregos que o país tanto precisa.

No entanto, considerando o cenário atual, já está de bom tamanho que a instabilidade não piore. Não é hora de apontar culpados, e sim de tomar as medidas que o país precisa.

Sobre Emanuel Pessoa

Emanuel Pessoa é Mestre em Direito pela Universidade de Harvard, Doutor em Direito Econômico pela Universidade de São Paulo e Certificado em Negócios de Inovação pela Stanford Graduate School of Business.

É vice-presidente do Harvard Club of Brazil e advoga em seu escritório com sede em São Paulo, atendendo tanto no Brasil quanto no exterior.

Com seu trabalho, Emanuel Pessoa ajuda profissionais liberais e empresários a negociarem contratos e a vencerem disputas comerciais.

📍 **Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha do Cultura Alternativa. 📍