Atividade física e saúde mental na adolescência

Atividade física e saúde mental na adolescência

Atividade física e saúde mental na adolescência


Uma vida ativa oferece benefícios expressivos para a saúde, e não é só a do corpo!


Não é novidade que a atividade física é uma grande aliada da nossa saúde física e mental.

E, sem dúvida alguma, esse é um fato que vale para qualquer faixa etária. Mas quando falamos do aspecto psicológico, no período da adolescência as emoções estão ainda mais à flor da pele.

Levando em consideração as vantagens psicossociais de uma vida ativa para a diminuição do estresse, dos sintomas da ansiedade, da depressão, da Tensão Pré-Menstrual (TPM), a melhora do humor, o aumento da autoestima e da sensação de bem-estar, os jovens têm ainda mais motivos para acreditar que manter o corpo em movimento contribui para a melhoria da saúde.

Para falar um pouco sobre a importância da atividade física e entender todos os benefícios dela para essa faixa etária.

Conversamos com o Professor Doutor Rodrigo Antunes Lima, que também é pesquisador na área de atividade física e saúde de crianças e adolescentes, e elegemos 5 fatos que você não pode deixar de saber! Olha só:

Atividade física e saúde mental na adolescência, Dermatologista Erasmo Tokarski
1 – Um impulso no desenvolvimento

O nosso corpo foi feito para ficar em movimento, e isso não foi definido pela natureza à toa! Segundo Rodrigo Antunes, é importante destacar que ser ativo fisicamente durante a adolescência melhora o desenvolvimento cognitivo e o desempenho escolar.

Além disso, contribui para um melhor desenvolvimento ósseo, muscular e para o controle do peso corporal, diminuindo os riscos de desenvolver obesidade e outras doenças crônicas.

2 – Plantando agora para colher depois

Durante as fases iniciais da nossa vida, estamos em um período de constante mudança rumo à idade adulta. E na adolescência não é diferente. Segundo o pesquisador, essa é uma fase de consolidação tanto pessoal quanto de hábitos.

Ou seja, comportamentos adquiridos pelo adolescente têm grandes chances de serem mantidos na fase adulta. Por que não optar por aqueles que vão construir um futuro mais saudável?

Veja também – Incentivar adolescentes a tocar um instrumento melhora a comunicação

3 – Descobrindo a identidade por meio da atividade física

As transformações não param e é justamente na adolescência que começamos a entender melhor quem somos. Diante dessas múltiplas sensações e dessa busca pelo entendimento da própria identidade, Rodrigo lembra que praticar atividade física pode ajudar bastante o adolescente a se conhecer e a lidar com todas as mudanças que ocorrem com o corpo nesse período.

4 – Uma oportunidade excelente para fazer amigos

Parte dessa busca pela identidade passa pelo aspecto social. É muito comum, inclusive, que adolescentes adotem comportamentos específicos para serem aceitos em um círculo de amigos.

Nesse contexto, a atividade física é uma oportunidade excelente para socializar de um jeito positivo e saudável.

Segundo Rodrigo, a socialização é um aspecto central para a saúde mental dos adolescentes, e a atividade física pode ser um fator importante nesse processo, além de ter um impacto positivo nas emoções.

“A aula de educação física é um momento de conexão entre os adolescentes, e que perdura para além das aulas e do período escolar”, afirma o professor.

Por isso, Rodrigo explica que as modalidades coletivas, devido ao aspecto social, às conexões e às interações que estão intrinsecamente ligadas à cada modalidade, podem oferecer mais benefícios para a saúde mental.

No entanto, as variações individuais também são benéficas. Além do mais, alguns adolescentes podem ter preferência por elas.

Por esse motivo, para dar certo, é importante que o jovem esteja engajado e pratique atividades físicas das quais goste e com as quais se identifique. Essa identificação faz com que a prática perdure por mais tempo.

Leia também: Escolha profissional na adolescência

5 – O exemplo é a melhor maneira de ensinar

Uma das principais características da geração jovem atual é, sem dúvida, o tempo excessivo diante das telas. É comum, inclusive, achar pais e responsáveis com dificuldades para lidar com a situação.

O fato é que passar longas horas no celular, no computador, em tablets e afins aumenta o comportamento sedentário, que é fonte de diversos problemas para a saúde física e mental.

Segundo Rodrigo, pessoas com maior tempo nesse estado praticam menos atividade física, podem desenvolver transtornos alimentares e problemas relacionados ao sono, sendo esses fatores que também têm impacto na saúde mental.

Mas para lidar com o problema, ele lembra que antes é preciso interromper um ciclo que atinge toda a família. Afinal, hoje em dia boa parte dos familiares ou das pessoas que convivem nas mesmas residências está presa às telas, até mesmo na hora das refeições.

Sendo assim, de acordo com o especialista, é importante que os pais ou os responsáveis reconheçam que a melhor forma de afastar os adolescentes dos aparelhos eletrônicos é por meio do diálogo, e principalmente do exemplo.

“Mudança de hábito é algo complexo e difícil, então não é viável bloquear completamente a tela desse adolescente, mas diminuir aos poucos e conversar sobre esse uso. Fazer uma reconexão familiar de sentar-se junto, conversar sobre o dia, conversar entre família”, orienta.

Seguindo esse fluxo, a atividade física em conjunto também pode ser realizada em algum momento. O suporte social, seja de familiares ou de colegas e amigos, é de grande importância para diminuir o comportamento sedentário e melhorar a saúde mental.

“Uma das estratégias mais promissoras para diminuir o tempo de tela nessa faixa etária é interagindo com o adolescente e preenchendo esse tempo com outras coisas”, finaliza Rodrigo.

Fonte Saúde Brasil