Brasileiros que dignificam o Brasil – Wesley Brito

Brasileiros que dignificam o Brasil - Wesley Brito

Brasileiros que dignificam o Brasil – Wesley Brito

Iniciamos uma série de entrevistas com funcionários públicos na ativa ou aposentados que dignificam o Brasil em gênero, número e grau.

Meu nome é Anand Rao. Sou jornalista e editor do portal cultura alternativa, músico com vários cds lançados e poeta com vários livros publicados. E você Wesley Brito, conte um pouco da sua história, fale quem você é?

Meu nome é Wesley Brito. Sou Servidor Público Federal (aposentado), cantor (Tenor do Coral Brasília), motociclista (membro do Motoclube “Águia Real”), piloto de kart (Campeão da categoria F3 do FKR em 2018), voluntário em ações sociais beneficentes (Liga do Bem), Sócio fundador da Confraria Amicus Vinum, além de pescador. Durante os 39 anos de trabalho, fui Diretor de Órgão Público, Sindicato e Associações, empresário e professor de Língua Inglesa (dentre outros). Viajante compulsivo, conheço mais de 40 países (viajando de carro, moto, trem, navio e/ou avião). Casado, pai de 2 filhos, adoro todos os tipos de esporte.

Brasileiros que dignificam o Brasil – Wesley Brito

O Senado Federal é uma instituição que muitas vezes é criticada pela mídia tradicional. Você foi servidor do Senado, gostaríamos que você falasse um pouco da instituição, sua concepção, suas experiências, enfim, a palavra é sua. Defina o Senado Federal para nós.

Iniciei a minha trajetória no Serviço Público através de concurso para o Poder Executivo. 2 anos depois fui convidado a trabalhar na Câmara dos Deputados, como Chefe de Gabinete de um Parlamentar. A partir daí, já no Poder Legislativo, permaneci por mais 36 anos. Em 1984, passei a trabalhar no Senado Federal.

A mudança foi radical. Como órgão de grande importância no contexto nacional, na época com grande respeito da população, nós, servidores da área técnica, trabalhávamos muito, 18 a 24 horas por dia, muitas vezes em regime de plantão, distribuídos em 3 a 4 turnos de trabalho. O processo legislativo, bem elaborado e moderno, era referência para vários países. A Gráfica do Senado chegou a ser considerada a melhor gráfica da América Latina, e o Prodasen (Centro de  Processamento  de Dados) era visitado por representantes de países da América do Sul, ávidos a conhecer um dos maiores “Mainframes” do mundo. A área administrativa do Senado Federal, composta por um dos melhores “corpos técnicos” do Brasil, desenvolvia, com responsabilidade, compromisso e respeito ao “bem público”, inúmeros serviços aos senhores senadores e a população em geral, e isso sempre foi a premissa básica na minha vida profissional. Tive a oportunidade de, pautado em muito estudo e exercendo várias funções de gerenciamento (Chefe, Assessor, Supervisor, Coordenador, Diretor etc), conseguir maior eficiência em muitos processos e setores produtivos, através das idéias, projetos e proposições que elaborei e foram implantadas  nas áreas onde atuei, gerando economia e agilidade. Tenho orgulho e me sinto honrado de ter trabalhado em um dos melhores órgãos da Administração Pública Federal, de onde saí convencido de ter ajudado em seu crescimento e amadurecimento como Instituição imprescindível do Estado brasileiro. Importante ressaltar, também, que os melhores amigos que tenho foram meus colegas de trabalho, e, até hoje, estamos em permanente contato, trocando idéias e experiências do nosso aprendizado como seres humanos.

Brasileiros que dignificam o Brasil – Wesley Brito

E o desportista e artista, cantor de coral, Wesley. Tem atuado nestas áreas? Quais as maiores premiações em cada uma destas áreas? Acha fundamental que o ser humano além do trabalho que o remunera, atue em outras áreas? Quais as sugestões que faria aos leitores?

Durante a minha adolescência humilde, nossa família era muito amiga de uma família de atletas que morava no mesmo prédio na 104 norte. Isso foi extremamente importante para a nossa formação (eu e meus irmãos) como amantes de esportes. Apesar da competitividade natural entre atletas, os princípios de humildade, honestidade e urbanidade estavam sempre presentes. É muito saudável o convívio pautado nesses fundamentos. Como desportista   Amador participei em competições, nesta Capital, de futebol (campo e salão), vôlei, atletismo (corrida, 1.500 mts e 1/2 maratona), natação, handebol e kart, dentre outros, recebendo vários prêmios (medalhas, taças etc). Mas para mim o mais importante foi viver, nesse periodo todo, uma vida saudável e honesta. No ano de 1995 fui convidado para participar na fundação do Coral do Senado, passei no teste para cantar no naipe dos Tenores e isso foi um novo marco na minha vida. Eu sentia uma satisfação enorme de proporcionar momentos de alegria e emoção nas pessoas através da música. Fizemos inúmeras apresentações em Brasília, em outras cidades do Brasil e na América do Sul. Em 1999, após realizar um solo (como Tenor I) durante um concerto beneficente no Hospital da Asa Sul, recebi um novo convite para participar do Coral Brasilia, que tinha o objetivo principal de representar o Brasil em competições no exterior. Melhor ainda então. Durante esses últimos anos fomos agraciados com muitos prêmios (taças, medalhas de ouro, diplomas etc), cantando em Portugal, Espanha, Alemanha, Suécia, Suíça, Itália, Polônia, Rússia, Finlândia, República Tcheca, Hungria, Grécia e Irlandas, além do Chile e Argentina. Emoções indiscritíveis sentidas durante o canto no interior de Igrejas e Catedrais centenárias, Castelos e Palácios medievais, auditórios suntuosos e centros culturais de última geração. Um dos fatos inusitados durante essa trajetória, dentre dezenas de outros, foi o Prêmio Especial de melhor interpretação de música do Século XX (“Otche Nash”, “Pai Nosso”), cantado em russo, em uma importante competição na cidade de São Petersburgo, na Rússia, concorrendo com outros corais do mundo interior, inclusive 7 corais da Rússia (comparando o caso, seria como se os russos viessem aqui no nosso País e recebessem um prêmio de melhor interpretação de samba, competindo com corais brasileiros). Na minha forma de ver, o resultado do nosso canto seria como se fosse a nossa contribuição para tornar o mundo melhor. Pessoas do bem fazendo o bem a outras pessoas, que na maioria das vezes nem conhecemos. E sei também que isso tudo influenciou minha família, meus filhos e outros familiares a sempre praticarem o bem. Gentileza gera gentileza. Tomara que eu consiga viver muito ainda para conseguir proporcionar isso para mais pessoas.

Essa história/estória toda demonstra, indubitavelmente, que o ser humano precisa ter uma atividade que o complete, que gere uma satisfação, um prazer em fazê-la, nem que não receba nada por isso. O nosso emprego/trabalho é essencial como

Meio de vida, mas precisamos sempre de algo mais, um hobby, um esporte, alguma coisa informal, relaxante, especial. Procure isso e complete a sua felicidade.

Brasileiros que dignificam o Brasil – Wesley Brito

Creio que no mundo hoje a cortesia, a gentileza, está em segundo plano. Embates, discussões, principalmente, sobre questões políticas compõem nosso dia a dia. Eu, tenho por princípio, respeitar a opinião de todos sobre tudo e me sinto estranho por não gostar de embates. Defendo sempre meu ponto de vista, através de artigos de opinião e ações artísticas. Como você vê essa questão?

Também vejo o atual momento da nossa história muito chato, onde todos devem estar completamente atentos ao que fala, ao que gesticula, ao que faz, dentro de uma enorme “prisão” de conceitos, classificações e padrões, senão poderemos ser “mau vistos”, discriminados, rotulados, destratados, sancionados.

Sempre gostei de ouvir mais do que falar, com um grande senso de justiça e benevolência, tratando as pessoas com o maior respeito possível, inclusive por conta da empatia que costumo “nutrir” pelas situações que me avizinham. Mas de um “tempo para cá” nada disso mais importa pois, se alguém falar alguma coisa que não soou bem ao ouvido de alguma pessoa,  abandonam, esquecem toda a sua história/estória e vc passa a ser uma “persona non grata”. Pior ainda quando se trata de opiniões políticas. Com isso, tenho evitado tecer comentários acerca de temas populares, falado menos ainda e, quando necessário, me expressado de forma mais moderada possível. Tenho demonstrado meu caráter, opiniões e jeito de ser através de ações artísticas e trabalho voluntário/beneficente, inclusive através da Liga do Bem, do Senado Federal. Mas não deixo de demonstrar o que penso. O respeito é uma “via de mão dupla”, respeite e será respeitado.

Muito obrigado por esta entrevista via Whatsapp e pedimos que assim que enviarmos o link da publicação no Portal de Notícias Cultura Alternativa divulgue pelas tuas redes sociais e Whatsapp, contatos e grupos, ok? Por fim, alguma coisa mais que gostaria de falar?

Finalmente só gostaria de parabeniza-los pelo Canal. Muitas matérias interessantes e bem estruturadas. Todo o sucesso do mundo a vcs, amigo!!

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa