Voz e Interpretação com alma

Caecille Norby - Voz e Interpretação com alma

Caecille Norby – Voz e Interpretação com alma

Nesta sexta, sextei, ouvindo Caecille Norby

Alguns sentimentos de saudade invadem meu coração.

Estou no hotel Gran Estanplaza Berrini. Hotel antigo, com caminhos diversos, fitness terceirizada e corpo funcional cortês.

Aqui no quarto, curto no You Tube Caecille Norby, onde o “a” e o “e” do primeiro nome são casados, mas não acho esse carácter no teclado do meu Le Novo. E que bom que não achei, pois, o maior de Caecille não é o nome e sim a voz e a interpretação

Caecille Norby quem é?

Nasceu num período tenso da história do Brasil, 1964. É dinamarquesa e canta jazz e rock.

Seu pai, Erik Norby, era compositor clássico, e sua mãe, Solveig Lumholt cantora de ópera.

Minhas filhas não cantam e eu sou um solitário na minha família, eu canto. Não deixarei ninguém para encantar com o meu legado musical.

Continuando, depois, desta dor relatada, ela fundou a Street Beat em 1982, por dois anos foi da banda de jazz-rock Frontline e de 1985 a 1993 trabalhou com Nina Forsberg na banda de rock One-Two.

Nos anos 90 se voltou para o jazz onde está até hoje.

Seu canto no You Tube

Neste show ela e Lars Danielsson encantam no Jazz Baltica

Caecille Norby – Voz e Interpretação com alma

Técnica e Alma

Técnica é óbvio que ela tem. Mas, o mais importante, tem alma.

Pulsa quando canta, encanta, emociona quem está assistindo e a emoção é que me levou a escrever este texto para ela.

Cultura Alternativa

O Cultura Alternativa é um Portal de Notícias que publica matérias diferentes.

Os entrevistados geralmente não são famosos na área cultural. Em turismo escrevemos sobre hotéis e restaurantes.

Os Museu também nos comovem, bem como, exposições, teatro, música, enfim, vivemos emocionados e escrevemos com emoção.

Somos número 01 no Google, digite Cultura Alternativa e confira.

Poema para Caecille Norby

Tua voz fez com que olhos de Eliza sonhassem na minh’alma

E Eliza, partiu, minha filha não é mais minha, é do mundo

Tua voz me contagiou nesta sexta na cidade de São Paulo

Onde todos bebem e o meu brilho está escondido

No Décimo Segundo Andar do Hotel Gran Estamplaza Berrini

Ouço o trem e vejo que ouço na verdade

A saudade que está guardada no meu coração

De minha filha Eliza

Segredo vivo e infinito na tua voz

Enquanto cantas jazz e és alma.

Meu texto jornalístico é assim…. Informação e Alma.

Agradeço Caecille Norby por me encantar nesta tarde de sexta.

ANAND RAO

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa