A expectativa foi por água abaixo no show de 50 Anos de ECM Records

Comemoração dos 50 anos da ECM Records

Comemoração dos 50 anos da ECM Records

Um dos maiores problemas do ser humano é a expectativa. 

Esperamos muito de certos momentos da nossa vida, isso é muito comum, e sentimentos diversos nos consomem. 

Não só com relação a momentos, vale essa máxima, mas também, com relação à pessoas e várias vezes nos decepcionamos com o resultado.

O Bate Papo

Antes do espetáculo de comemoração aos 50 anos da gravadora ECM Records, houve um bate-papo com um dos músicos que iria participar do show.

Na verdade foi de uma informalidade muito grande este encontro.

Informações técnicas foram poucas, apenas ficamos sabendo que os discos da ECM Records utilizavam reverberação excessivas na sua gravação e isso era o diferencial.

O músico foi despojado em seus posicionamentos e descompromissado.

A Acústica do Teatro

A Acústica do teatro Frederick P. Rose Hall é simplesmente espetacular.

Você escuta perfeitamente todos os instrumentos.

Fiquei realmente impressionado com a acústica, a limpeza sonora e informo a todos que sentei no balcony, quase no teto do teatro.

O Desconforto dos Assentos

A pessoa que é grande, fofinha, terá dificuldade e um grande desconforto nos assentos dos teatros de Nova Iorque.

Geralmente o brasileiro, vai pagar o ingresso mais barato, consequentemente, vai sentar numa cadeira extremamente desconfortável.

O Frederick P. Rose Hall não foge a essa máxima.

As cadeiras que sentamos eram desconfortáveis, com pouco espaço para as pernas, literalmente você se sentia uma sardinha enlatada,

O Excesso de Experimentalismo

O experimentalismo já foi minha praia. 

Gostava de romper com os tons e fazer músicas atonais.

Isto, na minha mente, demonstrava conhecimento de teoria e técnica musical.

Mas, a música é muito mais do que isso. 

A música envolve emoção, identidade, paixão, sentimento, explosão, e acima de tudo, sensibilidade.

O que vi no espetáculo da ECM Records foi músico tocando pra músico, sem nenhum respeito com o público.

Experimentar caminhos musicais diversos  foram feitos no palco e o público final aplaudia por uma questão de educação. 

Quando os músicos saiam do palco, ouvíamos aplausos na coxia, o que nos causava espécie.

Paguei $140 por dois ingressos no Balcony que é quase no teto do teatro. 

Achei que foi um investimento mal feito para um espetáculo sem respeito com o público.

Músico tocando para músico

Como já dito, os músicos tocaram para os músicos. 

Deve ter sido o espetáculo mais medíocre que eu já vi na minha vida. 

Destaco apenas a emoção de ter visto Meredith Monk, Uma compositora incrível. Que fez minha cabeça ao longo da minha vida. 

Neste momento, confesso, que chorei e me emocionei, ou seja, a música se fez por inteiro.

Outro momento interessante do espetáculo foi escutar Egberto Gismonti que respeitou público, tocando músicas de sua lavra, conhecidas e que foram muito aplaudidas.

O desrespeito à platéia

O desrespeito à plateia foi tão grande, que no intervalo do primeiro para o segundo tempo do show,  um terço do teatro foi embora.

Isso não quer dizer que o show tenha sido ruim, mas, foi. 

Os músicos, realmente, todos maduros não deveriam ter feito isto conosco. 

Eu, junto com a editora do cultura alternativa Agnes Adusumilli, ficamos la, mais em respeito ao $140 gastos erradamente.

A Mitologia acabou

A mitologia acabou. 

Mitificar uma gravadora, um músico, um compositor, não faz parte mais da minha vida. 

Estou perto dos 60 anos, o momento é outro, hoje o que tem valor é aquilo que me emociona, me comove e me deixa cada vez mais infinito.

O jazz com tema, improviso, volta ao tema e final, já era. 

Isto é uma estupidez sem igual. 

Vi isso muitas vezes na minha vida e estou de saco cheio. 

Nada disso me traz mais nada e agora só ouço músicas que me deixem absolutamente infinito.

O jazz precisa se renovar

O jazz precisa se renovar. 

Este show distanciou o público do tão pouco ouvido jazz.

Músicos de jazz que mostram sua técnica ao tocar são músicos comuns. 

Todos sabem fazer isso quando estudam em universidades, escolas de música ou coisas do gênero. 

O músico tem que ter um bit, uma criatividade, uma energia diferenciada. 

É uma enorme idiotice solar com  rapidez sem sentir absolutamente nada, informando que você sabe sim, o tom da música e a técnica dos solos, isto é uma babaquice

Qual a lembrança?

A lembrança que fica deste show é a de um show desorganizado onde a falta de respeito ao público foi a tônica principal.

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa