Como compor uma música

Composição Musical

Como compor uma música. A Arte de Compor. Composição Musical.

Sou músico, além de jornalista e escritor.

Neste texto vou falar da forma como componho.

Para mim os pilares da composição são: harmonia, melodia, ritmo e letra.

A ordem dos fatores não altera o produto.

As vezes a harmonia vem primeiro, depois, a melodia, a letra e ritmo. 

Cada dia o processo depende da energia e sensibilidade pulsando no meu ser.

Harmonia e Estilo

Gosto muito de acordes dissonantes.

Vejo muitos programas sobre harmonia funcional e sempre tento fazer diferente do que é ensinado.

Sou autodidata.

Creio que assim eu posso ter o que acho mais difícil na música que é o estilo.

Você ter o seu estilo, as pessoas escutarem o seu som e sem ter visto reconhecerem quem está cantando, é genial.

Lembro agora de James Taylor, todos sabem, sem ver, que é ele, o timbre da voz, o estilo, uma conjunção de sentimentos determina essa percepção.

Uma das coisas que mais me deixa feliz é quando dizem que minha voz parece com a de Milton Nascimento.

Mas, quero ser reconhecido como Anand Rao.

O músico Mário Noya, disse certa vez em uma reunião entre amigos que sabe perfeitamente quando eu estou cantando e isto me deixou muito feliz.

Melodia

Gosto de sair do médio, da zona de conforto,  e variar, do grave (zona mais desconfortável para minha voz, pois, sou tenor) para o agudo (zona onde atinjo  a maioria das notas).

Mas, quero transitar na melodia, usando semitons, para isso harmonizo, ou tento harmonizar, sem obedecer regras.

Creio que é fundamental você ouvir músicas de diversos estilos para ter um ouvido melódico aguçado.

Como compor uma música

Letra

Neste momento da minha vida, depois, de compor há mais de 30 anos estou buscando fazer umas letras apoéticas.

Ou seja, não quero falar do por do sol e sim, do jornalismo e suas nuances nas letras.

Ou da fila do INSS e por aí vai.

É importante que você case a letra com a melodia e ritmo.

Mas, as vezes até tento colocar a palavra paralelepípedo em um contexto harmônico melódico descasado, forçado.

Como se a palavra não coubesse naquele contexto.

Acho interessante esta provocação.

Ritmo

Todas as músicas podem ser tocadas em ritmos diversos.

Uma mesma música eu posso tocar em ritmo de samba, rock, reggae e etc.

Gosto de fazer músicas com vários ritmos, ou seja, dentro de uma mesma composição coloco quatro, cinco ritmos.

Tenho notado que compositores novos têm feito muitas músicas lentas.

Creio que muitas vezes é por falta de técnica e capacidade rítmica.

As vezes os shows ficam cansativos e se parecem muito.

Uma vez assisti 03 horas de um show de João Gilberto e confesso que com duas horas queria ir embora, mas, o músico era tão interessante que fiquei para estudar sua afinação e bit.

Realmente a diversificação rítmica dentro de um espetáculo ou dentro de uma mesma música é interessantíssimo.

Como compor uma música

Inovação

Essa é uma palavra que me persegue.

Quero inovar quando componho, por isso criei diversas listas no Spotify ouvindo músicas indianas, celtas, espanholas, portuguesas, brasileiras e por aí vai.

Busco ouvir tudo, e depois, criar.

Mas, creio que várias vezes caio na mesmice fazendo músicas lentas sobre o por do sol.

Isso já era, mas, as vezes quero satisfazer um sentimento pessoal de tristeza, agonia, solidão e faço o que todos fazem..

Óbvio que fica bonito e todos amam.

Num mundo onde a disputa de mercado na música é enorme, é importantíssimo, você ter estilo e sempre buscar inovar para se destacar ao criar a sua própria música.

Outra coisa, fale sobre temas que atinjam a vida de todo mundo, atualmente, hoje é o coronavírus que pode ser que você emplaque.

Eu muitas vezes fiz músicas personalizadas, em sento assim, não fiquei famoso.

Fale sobre sentimentos, temas, que interajam com todos e façam parte da vida de todos.

Fama

Os famosos, minto, os populares geralmente compõem músicas bobas, imbecis.

Sofrência, música sertaneja, pagode, funk, tudo é sofrível de se escutar.

Jazz tradidiconal, também, é literalmente insuportável.

Gosto mesmo é quando há a mescla e uma tentativa evidente de inovação.

Aí, corro atrás, ouço este músico, compositor, instrumentista e interprete à exaustão.

Sempre  busco o novo, está é uma agonia que me persegue e creio, que até morrer, vou correr atrás disso.

Agora o momento é de sorrir, chorar, questionar, admirar.

O texto acabou, e espero de alguma forma ter tensionado seus pensamentos e colaborado com aqueles que querem compor.

E ouçam música à exaustão, não só as que vocês gostam, mas, também as que odeiam ou que causam estranheza.

E imitar é muito pobre, crie sua própria música, com seu bit, tzão e paixão.

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa