Contos e Crônicas de Anand Rao – O Quebra-Nozes dentro da Lava Louça

Contos e Crônicas de Anand Rao - O Quebra-Nozes dentro da Lava Louça

Contos e Crônicas de Anand Rao – O Quebra-Nozes dentro da Lava Louça

Leio o texto para você

A Lava Louça é uma máquina que estereliza os produtos, faz uma limpeza ímpar e muitas gastam pouca água e energia. Outro fator fundamental é a produção. Com uma lava louça, o poeta proprietário, tinha mais tempo para fazer poesia. Começou inclusive a escrever contos e está em vias de começar um romance, pois, pode se dedicar mais à arte do pensar. O mundo atual exige muito do homem e da mulher, o homem vem se transformando em companheiro intimamente conectado à atividade doméstica e a mulher à atividade orçamentária. Vamos abordar com um poeta via dentro de sua lava louças o balé quebra nozes. Uma visão deturpada, conturbada e cheia de metáforas desta máquina que semeou uma relação melhor dele com sua esposa na cozinha.

O Quebra-Nozes é um dos Ballets que Tchaikovsky compôs (foram 3, oficialmente). Estreou em 18 de dezembro de 1892, no Teatro Mariinsky, em St. Petersburg, capital da Rússia . Baseia-se na versão de Alexandre Dumas e é tradicionalmente encenado na época do Natal. O ballet conta a história mágica e romântica de Clara e seu boneco, O Quebra-Nozes, que foi presente de seu tio/padrinho, o mago Drosselmeyer, na festa de Natal de sua família. A festa é linda e contagiante, o tio Drosselmeyer enche as crianças de brinquedos mágicos, incluindo bonecos harlequins que ganham vida, coelhinhos de verdade e ratos gigantes. Após presentear todas as crianças, ele traz uma caixa especial para Clara com O Quebra-Nozes

Contos e Crônicas de Anand Rao – O Quebra-Nozes dentro da Lava Louça

O poeta incomodado sentia sua produção minguar. Para ele, lavar louças, era uma perda de tempo. Adorava estudar rimas, gramática, textos, ler, mas, lavar a louça não era seu forte. Fez, para ser companheiro e participe de uma relação. Também não exigia da companheira tal atitude. Para ele a louça podia ficar suja por dias que não o incomodava. Vendo a esposa tocada, começou a lavar, e depois, refletiu que tinha renda para comprar uma lava louça. Não comprara o aparelho, pois, tinha a impressão que o mesmo era os olhos da cara. Ledo engano, comprou, e está bailando num quebra-nozes dentro da lava louça. Curte os diversos tipos de lavagem e secamento e a máquina fez com que sua produção literária aumentasse e muito. A calma voltou a reinar no seu dia a dia, a produção literária aumentou muito, bem como, o amor com sua companheira.

Agora, depois da compra da lava louça, o poeta pode assistir a tudo e contemplar a todos. A vida segue seu rumo, muitas vezes incompreensível, mas, esta máquina tem e teve o poder de melhorar a relação casal e proporcionar a um escritor mais tempo para sua escrita. Proporcionou também acesso dele às notícias, possibilitando percepção crítica, proporcionando a aceitação ou não da informação. Segue assim seus dias, seu tempo, suas ações em tempos de pandemia. Ele pode também, aprimorar pensamentos, e iniciar uma revolução sem consentimentos, diária, não só interior, como exterior, envolvendo a arquitetura em sua volta.

Contos e Crônicas de Anand Rao – O Quebra-Nozes dentro da Lava Louça

O tempo apertado ficou. A produção aumentou. Quando se aumenta a produção, tudo se revela, tudo flui e as ideias são muitas. O tempo em vez de aumentar, diminui. A velocidade de upload tem que ser maior que a de download. Quando há upload, há criação, quando download, compartilhamento. E assim seguimos nossos dias, sem tempo, por causa de uma lava louça que nos tirou de um serviço braçal, para um serviço mental, e neste serviço dançamos o quebra-nozes dentro da lava louça. Dançamos dentro e fora, pois, o fato novo, novas ações agora podem ser visualizadas. O tempo perdido lavando louças não acontece mais. Obviamente quem se alimenta, tem que lavar o que sujou, mas, é fundamental a melhor utilização do tempo e a lava louça proporcionou tudo isso, sendo o início de uma mudança grande de vida.

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa