Crer para Ver, Ver para Crer

Crer para Ver, Ver para Crer

Crer para Ver, Ver para Crer

Este texto basicamente vai fazer uma reflexão sobre espiritualidade e materialidade. A espiritualidade, portanto, seria o “Crer para Ver” e a materialidade, consequentemente, o “Ver para Crer”.

Espiritualidade – Crer

A fé como fonte para a visibilidade.

Primeiramente, milagres não são visíveis, não está à venda no supermercado, nem tão pouco, podemos precifica-los e pagar no cartão. 

Eventualmente, a espiritualidade, é visível e propagada como no caso de Maria em Portugal, quando três crianças a viram e o local se tornou Fátima, inegavelmente, lindo sob todos os aspectos.

Antes de mais nada, ao crer você pode ver algo. Além disso, você poderá sentir a força da espiritualidade, entretanto, há a possibilidade de você crer e sua crença não ter o poder de ser palpável.

Por fim, é com a crença em algo que, prioritariamente, algo poderá se materializar.

Ora … Ora… temos que acreditar e inverter a ordem atual das coisas, tanto quanto, for possível e necessário.

Materialidade – Ver

Só acreditamos vendo

Por outro lado, a materialidade é visível. Você pode precificar, ver, tocar, mesmo que, você não possa comprar.

Acreditando, trabalhando, lutando você terá bens materiais que poderão compor e ser um balizamento na sua vida.

Ademais, se tornam tão importante, que as vezes o crente em bens materiais, se perde em caminhos de corrupção e solidão. Ou de afeição, desde que, utilize meios lícitos para ver e obter seus bens materiais.

Crer para Ver – Ver para Crer

Nossa opinião.

Em contrate com outros caminhos, acreditamos que união dos duas formas de vida, pode ou não, ser o ideal.

Tivemos ao longo da história Baghwan Rajneesh, que, precipuamente, tentou mesclar os dois caminhos, entretanto, se perdeu por completo.

Surpreendentemente, fez com que seus seguidores e a população das cidades onde passava, o questionassem, chegando a ser preso.

Todavia temos que tentar, tem que haver um equilíbrio, pois, a radicalização gera perpetuação de alguns e conflito para outros.

Acreditamos, por conseguinte, que há a possibilidade de harmonização entre os dois caminhos, similarmente, harmonizamos nossa vida para isso.

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa