Cultivar o próprio alimento é um incentivo para a alimentação saudável

Cultivar o próprio alimento

Cultivar o próprio alimento é um incentivo para a alimentação adequada e saudável


Aprenda como fazer uma horta, seja em casa ou no apartamento


Uma comida fresca é capaz de despertar todos os seus sentidos, visão, tato, olfato e paladar.

Isso porque um alimento recém-colhido apresenta uma cor mais viva, uma textura mais firme, um aroma mais marcante e, claro, um sabor mais intenso. Sem contar que conhecer a origem daquilo que será consumido contribui para uma alimentação adequada e saudável.

Cultivar alimentos em casa já é a opção de muita gente. Mas não se engane achando que ter uma horta é privilégio e exclusividade de quem dispõe de um quintal grande.

Mesmo em pequenos espaços é possível cultivar algumas espécies. A palavra de ordem é uma só: adaptação. Segundo Rafael Rioja, Nutricionista e Analista em Regulação do Programa de Alimentação Saudável e Sustentável do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o ponto de partida para definição dos melhores temperos e alimentos a serem cultivados é o espaço disponível, seja em um apartamento ou em uma casa.

Ele explica que a principal diferença vai ser, por exemplo, em relação à exposição solar e à dimensão da área útil para o cultivo. Por esse motivo, temperos e ervas como, por exemplo, manjericão, alecrim, cebolinha, hortelã e erva-doce são mais fáceis de cultivar em um apartamento. As espécies de tomates menores e as pimentas também costumam se dar bem nos espaços próximos às janelas.

Já hortaliças como cenouras, batatas, alfaces e alimentos similares até necessitam de espaços maiores, mas isso não impede que a fase inicial do cultivo seja feita no apartamento. Em seguida, com o desenvolvimento das plantas, elas podem ser deslocadas para espaços maiores como hortas comunitárias.

Mudas ou sementes?

Mesmo para quem está se aventurando pela primeira vez na construção das hortas, esse pode ser um processo experimental e prazeroso. Para facilitar, Rafael orienta que plantar ou cultivar mudas é o caminho mais simples para quem está começando e dispõe de pequenos espaços.

Afinal, plantar a partir das sementes exige um pouco mais conhecimento em relação ao espaçamento para o plantio, assim como as possibilidades de germinação no início.

Uma outra dica importante dada pelo profissional é garantir que as mudas estejam bem adubadas, de preferência com adubos livres de sintéticos e outros compostos químicos, além de garantir o aporte de sol e regas adequadas para cada planta.

Nesse sentido, o local onde será feito o plantio vai depender do tipo de alimento e espaço disponível na residência. Os temperos e ervas se adequam muito bem a vasos, enquanto as demais hortaliças exigem canteiros com maior espaço, explica Rafael.   

Quais as vantagens de cultivar uma horta em casa?

Independentemente do tamanho da área disponível para cultivar uma horta em casa, a principal vantagem, sem dúvida, é a aproximação com o ato de produzir e comer o próprio alimento. Essa é a dimensão mais potente, ao mesmo tempo sutil e transformadora, afirma Rafael.

O ato de cultivar os vegetais é, inclusive, um movimento importante em relação à prática das habilidades culinárias e ao consumo dos alimentos in natura, conforme orienta e reforça o Guia Alimentar para a População Brasileira, produzido pelo Ministério da Saúde.