Das cinzas o Gavião, por Mauro Rocha

Das cinzas o Gavião

Das cinzas o Gavião

Nos dias 27 e 28 de abril foi realizado o Canta Gavião, um projeto pioneiro que fez história nos anos 80/90, na Aruc.

Poderia dizer que o retorno seria como a Fênix, mas se trata de um Gavião que quer lançar novos voos no polo cultural e de debates envolvendo várias áreas artísticas.

Das cinzas o Gavião – Evento

Ontem (27/04) no Espaço Cultural Nilton Sabino foi realizado um seminário com autoridades, comunidade, jornalistas, artistas, entre outros. Dentre os presentes estava Tetê Catalão, poeta e jornalista, para definir e consolidar as novas diretrizes do projeto que vem ganhando força e terá novidades no futuro.

O dia não se resumiu a debates, a história da Aruc e da comunidade do Cruzeiro também estava registrada em painéis, banners, visitas a sala de troféus da escola de samba que várias vezes se tornou campeã, entre outras atrações como exposição de livros da Academia Cruzeirense de Letras, artesanato, declamação de poemas realizados por poetas da cidade como Noélia Ribeiro e Vicente Sá.

Das cinzas o Gavião – Projeto

O Projeto retoma o Cine Clube Gavião, e para o retorno tivemos a exibição do filme “Rock Brasília” direção de Vladimir Carvalho. Primeiro houve uma conversa agradável sobre o cinema em Brasília e a nostalgia do Cine Clube Gavião em seus primeiros momentos nos anos 80/90, com Maria do Rosário Caetano, Berê Bahia e Vladimir Carvalho.  

A manhã de domingo (28/04) acorda com uma caminhada e o plantio de árvores para que a semente do Canta Gavião siga seu rumo ao futuro.

Mas o tempo não para e as atrações musicais estavam presentes no Grupo Baque Mulher com o maracatu passando pela Banda Subinstante com muito rock, entre outros para esquentar a tarde e dividir o palco com a poesia de Jorge Amâncio, Menezes & Moraes, Magu Cartabranca, Noélia Ribeiro, Academia Cruzeirense de Letras.

E a noite termina com o Cine Clube Gavião e os curtas-metragens produzidos pelos alunos das escolas públicas do Cruzeiro sobre a coordenação do professor e cineasta Zaldo Borges.

Das cinzas o Gavião – Continua?

Esse foi o recomeço de uma história que parou no tempo, mas que os espíritos da cultura resolveram mexer com as engrenagens dos relógios, e com muita disposição Robson Silva com o apoio de Moacir de Oliveira e Hélio dos Santos, traz de volta para o Cruzeiro e para o Distrito Federal um projeto que nunca deveria ter adormecido e ficado na lembrança, mas que agora…. Canta…. Canta gavião.

Mauro Rocha, brasiliense de coração, nasceu em Teresina/PI

Para o Cultura Alternativa.