Ritmo de samba #sim, intolerância #não

Dia Nacional do Samba

Ritmo de samba #sim, intolerância #não

 

O último 2 de dezembro (domingo) foi o Dia Nacional do Samba. Os festejos, por todo o Brasil, tiveram muita batucada, muita música, mas também houve quem homenageasse o samba com poesia, com memória cultural, e quem fizesse da data uma oportunidade para dizer em bom e alto som, chega de intolerância!

Houve comemorações também em outras capitais nordestinas, onde outros ritmos são conhecidos como mais preferidos da população.

 

Dia Nacional do Samba – Rio de Janeiro

Rio de Janeiro foi a cidade em que a comemoração foi maior, e os cariocas escolheram a festa para celebrar a união, num tempo que está marcado pela necessidade de tolerância, respeito e amor ao próximo.

Na orla, rodas de samba se multiplicaram pelos quiosques da Cidade Maravilhosa, onde o sol brilhou forte, o calor e a praia convidaram o carioca e seus visitantes para sambar. Do Leme ao Pontal, mais de cinquenta mil pessoas sambaram pelos 34km do percurso.

Em diversos pontos da cidade, houve ainda festas literárias para consagrar a memória de grandes sambistas. Na Pedra do Sal, o berço do samba, localizado no Morro da Conceição, subúrbio fluminense, Cartola, Noel Rosa, Mauro Duarte, e tantos outros, que desde os anos 20 do século passado faziam rodas de samba no local, tiveram suas obras relembradas com música, poesia e exposições artísticas diversas.

Grandes sambistas aproveitaram suas redes sociais para saudar o Dia Nacional do Samba, como Maria Rita, Xande de Pilates, Ferrugem, Pretinho da Serrinha e Zeca Pagodinho, para quem “o samba é uma filosofia de vida”, declarou um dos maiores nomes do samba na atualidade.

Dia Nacional do Samba
O grupo Glória ao Samba se apresenta em uma roda de samba no Instituto Moreira Salles na capital paulista, durante o lançamento do livro Primeiras lições de samba e outras mais, do historiador da música popular brasileira José Ramos Tinhorão.

 

Dia Nacional do Samba – Nordeste


No Nordeste também teve festa em todas as capitais. Destaque para cidades onde nem se imagina que o samba tenha tanta expressão, como em Olinda, Pernambuco, com seu carnaval com frevo e bonecos gigantes.

A Praça do Carmo, um dos maiores pontos culturais da cidade, se rendeu ao samba desde o início da tarde e entrou noite a dentro. Em Fortaleza, Ceará, a festa foi no Mercado dos Pinhões, que pelo quarto ano consecutivo recebeu o projeto “Meu Samba é Assim”, que reuniu a Escola de Samba “Movimento Cuícas do Ceará”, campeã do Carnaval 2018 e cerca de 300 sambistas regionais, e realizaram o “Encontro Cearense de Compositores de Samba”.

No Pelourinho, em Salvador, as homenagens que acontecem desde a década de 1940, o Axé se rendeu ao samba, tendo Ary Barroso como o grande homenageado.

Dia Nacional do Samba – Historia 

Mesmo não sendo considerada uma data nacional oficial, 2 de dezembro, o Dia Nacional do Samba é reconhecido em todo o Brasil desde a década de 1960.

O país é conhecido em todo mundo como o samba sendo o ritmo do Carnaval, e estilo musical típico brasileiro, embora o samba seja marca registrada para o Rio de Janeiro e Salvador.

 

 

Redação Cultura Alternativa

Texto especial enviado por Letícia Oliveira.