Dissonância muito maior do que consonância

Dissonância muito maior do que consonância - Cultura Alternativa

Dissonância muito maior do que consonância

A leitura, interpretação e avaliação que faço diariamente da mídia, dá título a este texto.

Tenho lido e visto ações e declarações que

contemplam muito mais a dissonância do que a consonância.

Em ano de eleição, isso é normal, mas, está se generalizando e tornando-se padrão no período pós pandemia.

A sociedade

A pandemia gerou ações incomuns.

Por exemplo, a valorização descontrolada e ações humanas super apaixonadas por animais.

Outro dia, no Parque Ibirapuera, vi muito mais carrinhos de bebê com animais do que ser humano.

O descontrole pró e contra pautas politicamente corretas tem sido a tônica de veículos de mídia nacionalmente conhecidos.

Tudo isso comunga para a dissonância.

Dissonância muito maior do que consonância

Dissonância

A sociedade em dissonância, como escrito acima, gera guerras, um número infinito de separações, questionamentos gerando tempestades em copos de água, roubos desenfreados pelo símbolo da vida, hoje, o celular.

Todos pensam que vão crescer, se enriquecer, se tiverem a prioridade que norteia os roubos, o celular é isso é uma grande ilusão.

O celular ajuda os líderes a disseminarem fake News e os liderados a se tornarem comparsas compartilhando essas imbecilidades.

É muito fácil você chegar uma notícia verdadeira e existem inúmeros sites que fazem esse trabalho.

Cheque, seja consonante.

Consonância

Para haver consonância é fundamental que haja respeito, e hoje o respeito é um ato que suporta o desrespeito.

Os midiáticos precisam da mídia e a desrespeitam.

Os profissionais de mídia desrespeitam os midiáticos diariamente com divulgações agressivas questionando os mesmos em detrimento de uma linha editorial isenta.

Assessores desrespeitam assessorados e vice e versa.

Isso é o que temos visto dia a dia, hora a hora, minuto a minuto.

Sites como “Só Notícia Boa” são uma raridade.

Caminhos e Soluções

As soluções são, em primeiro lugar, o respeito mútuo.

Em segundo lugar, harmonia nas ações e para isso acontecer, temos que pensar no todo, e deixar o próprio umbigo de lado.

O que mais se vê, quase que na totalidade, são ações supervalorizando o próprio umbigo, a si, aos seus, e o todo está sempre em segundo plano.

Assim o nosso futuro é devastado.

E onde chegaremos

Se os líderes não se dedicarem ao todo e os liderados não aprenderem a se liderar, respeitando o todo, o único destino é o caos e a autodestruição.

A construção depende da harmonia, de uma visão do todo por parte de líderes e de uma liderança de si em prol do todo por parte dos liderados.

O alerta está dado com este texto.

A emergência acionada e é preciso agir e não retroagir dia a dia.

Continuaremos nossas análises e avaliações de mídia diariamente e lutaremos pela consonância e harmonia.

Anand Rao

Editor Chefe

Cultura Alternativa

Cultura Alternativa