É importante ficar atento à alimentação das crianças.

Por que é importante ficar atento à alimentação das crianças? Cultura Alternativa

Alimentação das crianças

Para as crianças com mais de dois anos, a recomendação é escolher um açúcar mais nutritivo; conheça quais

Crianças menores não devem comer açúcar

Crianças menores não devem comer açúcar


Os alimentos oferecidos nesse período são decisivos para a formação de hábitos futuros

Porque crianças menores de 2 anos não devem comer açúcar?

O excesso de produtos industrializados e consumo exagerado de doces nos primeiros anos de vida pode favorecer o ganho de peso e comprometer o paladar, além de influenciar diretamente na capacidade de concentração das crianças.

Essa habilidade é fundamental para a realização de diversas atividades durante o processo de aprendizagem, já que é preciso ter atenção para que aconteça o desenvolvimento.

O Ministério da Saúde disponibiliza uma cartilha alimentar completa, para crianças de até dois anos e a recomendação é não consumir açúcar refinado e alimentos quando preparados com o ingrediente.

Levando em consideração a sugestão, fica a cargo dos pais observar a lista de produtos industrializados para identificar o açúcar refinado “embutido” na composição.

Para as crianças a partir de três anos, o conselho é escolher um açúcar mais nutritivo que não comprometa o pedalar em formação, como é o caso do melado, o açúcar mascavo e o demerara.

Se o alimento escolhido tiver boas doses de fibras é melhor, porque ela é capaz de diminuir a absorção do produto no organismo.

Outra recomendação importante é ficar de olho na lista de ingredientes das bebidas prontas para o consumo.

Muitas delas apresentam alta concentração de açúcar. É importante lembrar que quanto mais natural e com ingredientes reduzidos, melhor.

Para que o cardápio seja ainda mais nutritivo, a ida ao mercado deve garantir a diversidade de frutas e verduras no cardápio infantil.

SOBREO ASSUNTO

Consumo de bebidas açucaradas

Saiba como substituir o açúcar branco no dia a dia

Pandemia dispara consumo de açúcar