Enxaqueca: mitos e verdades

Enxaqueca: mitos e verdades, enxaqueca

Enxaqueca: mitos e verdades

Dor de cabeça forte, enjoo e sensibilidade à luz e ao barulho.

Esses são os principais sintomas da enxaqueca, doença neurológica que, segundo o Ministério da Saúde, acomete cerca de 30 milhões de brasileiros, principalmente os que se encontram na faixa etária entre 25 e 45 anos.

Para Alex Baeta, neurologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, há muitos hábitos que contribuem para que as crises de enxaqueca sejam mais recorrentes e afetem a qualidade de vida.

Enxaqueca: mitos e verdades

“Má alimentação, estresse e automedicação são alguns dos fatores relacionados à enxaqueca, embora muitas pessoas acreditem indevidamente que alguns alimentos não recomendados nesse caso e o uso descontrolado de analgésicos possam ajudar a controlar a dor”, alerta o especialista.

Enxaqueca: mitos e verdades

O médico aproveita para esclarecer alguns mitos e verdades sobre a enxaqueca:

•Chocolate ameniza a enxaqueca

Mito.

Chocolate, queijos amarelos, café, gordura, derivados de leite e enlatados podem aumentar a chance de ter uma crise de enxaqueca.

•Criança não tem enxaqueca

Mito.

Embora seja mais comum entre pessoas entre 25 e 45 anos, a enxaqueca pode se apresentar em outras faixas etárias, incluindo crianças.

•Automedicação piora a dor

Verdade.

O uso indiscriminado de medicamentos pode tornar o corpo resistente aos analgésicos e aumentar a dor. É extremamente importante buscar orientação médica para tratar a enxaqueca.

•Crise de enxaqueca dura uma semana

Mito.

A duração da enxaqueca pode variar entre 4h e 72h.

•Há medicamentos específicos para enxaqueca

Verdade.

Existem vários tipos de medicamentos para o tratamento de enxaqueca. Após o diagnóstico, o médico poderá indicar o melhor analgésico de acordo com o perfil de cada paciente.

•Enxaqueca tem cura

Mito.

Ainda não existe cura para enxaqueca, mas ela pode ser controlada por meio de alimentação saudável, atividade física, uso de medicamento correto e acompanhamento médico.

Ao surgirem os primeiros sinais da enxaqueca, é muito importante procurar por um médico para avaliar a possível causa e buscar o melhor tratamento.