Escola de São Sebastião recebe espetáculo baseado em tradição africana

Peça irandì do barro

Escola de São Sebastião recebe espetáculo baseado em tradição africana

Neste fim de semana, nos dias 19 e 20 de janeiro, a peça “IRANDÌ – do barro ao ferro” será apresentada no CED São Francisco, com intérprete de libras. A entrada é gratuita

Peça irandì do barro

O Centro Educacional São Francisco, em São Sebastião, se torna neste fim de semana palco de um espetáculo teatral.

Nos dias 19 e 20, às 20 horas, será apresentada na unidade de ensino a peça “IRANDÌ – do barro ao ferro”, do coletivo negro Nós que aqui estamos.

A entrada das apresentações é gratuita e todas contam com intérprete de libras para garantir acessibilidade e democratização cultural.

Esse espetáculo é baseado em contos de tradição africana e tem por objetivo resgatar as raízes da cultura afro-brasileira. A trama acontece em três atos que, apesar de não estarem em uma trajetória linear, estão conectados.

No primeiro momento, é encenado o conto “O Doutor cura quem tá para morrer”, de Mestre Didi – um dos grandes responsáveis por preservar a ancestralidade afro-brasileira com estudos e publicações sobre o tema. As cenas levam a reflexão sobre a relação vida e morte.

Outro ponto do espetáculo acontece em uma cozinha, onde se retrata a memória das pessoas negras que contribuíram para a libertação do povo preto nos sentidos mais amplos de existência.

A força de Ogum está presente na peça através do ferro que recobra a ideia de que o povo preto é guerreiro, com sangue de reis e rainhas.

A peça já foi apresentada nos dias 12 e 13 na Casa de Paulo Freire, também em São Sebastião. Este projeto é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.

O coletivo negro nós que aqui estamos surgiu do desejo em comum de fazer alguma coisa que materializasse a pretitude e urgências criativas.

Os encontros aconteceram nesses fluxos de estar na cidade de origem dos artistas, São Sebastião, onde os diálogos foram resultado dessas urgências.

Questionados sobre o que fazer pela cidade, pela juventude negra e para expressar a arte, os artistas decidiram se mobilizar.

“Acreditamos que amor é construção. Estar entre pessoas pretas e em lugares que amamos, desperta a necessidade de construir para fortalecer e permanecer.

É preciso lembrar que temos obrigações com nossos ancestrais. Preservar sua memória, para que também sejamos cuidados. É preciso estar atento a nossa família, amigos e amores, para nós reconhecermos e nos reconectarmos”.

SERVIÇO

Irandí – do barro ao ferro

19 e 20 de janeiro, às 20h, CED São Francisco

Quadra 17 Lote 100, Bairro São Francisco – São Sebastião

Instagram

www.instagram.com/irandibarroaoferro/

Facebook

www.facebook.com/irandibarroaoferro