Euclides da Cunha será o autor homenageado da Flip em 2019

Euclides da Cunha

Euclides da Cunha será o autor homenageado da Flip em 2019

 

Autor da obra ‘Os Sertões’, Euclides será o homenageado da 17ª edição da festa literária que acontece de 10 a 14 de julho de 2019

 

Euclides da Cunha –  Flip 2019

 

A Flip 2019, marcada para acontecer de 10 a 14 de julho, já escolheu o seu autor homenageado: Euclides da Cunha. Escritor, jornalista e engenheiro, Euclides é autor de uma das obras fundamentais sobre o Brasil, Os Sertões.

Os Sertões, publicada em 1902, a obra tem origem no trabalho de cobertura jornalística da revolta de Canudos (1896-97), ocorrida no interior da Bahia, que opôs o exército e o governo brasileiro ao movimento de cunho social, político e religioso liderado por Antônio Conselheiro.

Correspondente do Estadão na época, Euclides da Cunha iniciou a tarefa de reportagem com convicções morais e políticas que foram desafiadas ao longo da experiência e que se refletiram em sua obra.

“A obra de Euclides da Cunha é pioneira na criação a partir da leitura e da interpretação do território, questão que nortearia os modernistas ao longo do século 20 e está presente na Flip desde sua concepção”, afirma Mauro Munhoz, responsável pela direção geral e artística do evento.

“A sua ligação com o jornalismo compõe também um elo importante com a Festa Literária, que sempre teve uma conexão forte com o jornalismo e a literatura de não ficção, gênero que tem trazido obras de grande valor cultural e intelectual.

 

É essa conexão entre o território e a literatura que nos permite inovar todos os anos, mantendo-nos conectados às novas demandas culturais, artísticas e intelectuais do país, como o próprio autor ao seu tempo”, completou.

A curadoria do programa principal da edição de 2019 fica por conta da jornalista Fernanda Diamant.

 

 

Curiosidades sobre a literatura brasileira que você talvez não saiba

O assassino de Euclides da Cunha matou também o filho do autor

Ao descobrir que estava sendo traído, Euclides da Cunha saiu de casa determinado a “matar ou morrer”.

Encontrou o amante da esposa, Anna, em casa e ambos trocaram tiros: Euclides foi o primeiro a acertar, mas foi Dilermando, o “outro”, que deu o tiro certeiro e matou o autor de Os Sertões.

Anos depois, Euclides da Cunha Filho atentou novamente contra Dilermando que, não querendo matar o filho da amada, tentou fugir, mas como sua vida estava em jogo atirou e matou o filho de Euclides da Cunha.

Depois disso, o homem foi julgado — não só pelo júri, mas pela sociedade brasileira —, mas foi absolvido.