Exclusivo – CATÁSTROFE AMBIENTAL NO DF – Eugênio Giovenardi

A catástrofe ambiental no Distrito Federal não é uma profecia para o ano 2018, quando se celebrará em Brasília o 8º. Fórum Mundial da Água. É um fato atual em processo.

 

A área do DF é de, aproximadamente, 578.000 hectares (5.780 km2). Segundo o plano de ocupação regional do DF, apresentado pelo Dr. Lucio Costa, 80% (462.000 ha) seriam reservados às atividades rurais, reflorestamento, preservação de nascentes e cursos de água, e 20% (116.000 ha), à urbanização (serviços, habitação, educação, comércio, lazer, rodovias). Essa relação, embora quantitativamente imprecisa, se altera dia a dia em detrimento das áreas verdes.

Atualmente, a urbanização intensiva e extensiva com a ampliação das cidades-satélites e criação de condomínios rurais, os corredores verdes encolhem. A biodiversidade se reduz. Aos 2,8 milhões de habitantes do Distrito Federal se agrega anualmente uma população correspondente a um bairro como o Núcleo Bandeirante com mais de 40 mil habitantes. A expansão da cidade se faz, em grande parte, sobre a área verde.

Essa inversão da ocupação de terras e do uso inadequado do solo desencadeou um processo irrefreado de desertificação do Cerrado, com eliminação de nascentes, desmatamento indiscriminado, defaunação e perturbação dos aquíferos subterrâneos por meio de poços tubulares e artesianos. A impermeabilização de grandes áreas impede a infiltração e recarga dos aquíferos.

A ocupação das áreas rurais tem se intensificado, nos últimos anos com grilagem, invasões e venda irregular de terras. Surgem inúmeras agrupações de vinte a trinta casas nas encostas dos morros. Um sobrevoo sobre as bordas do DF pode comprovar os fatos. A forma de ocupação e instalação das moradias obedece a comportamentos tradicionais: destruir para construir. Desmata-se a área. Limpa-se o terreno com fogo. Deixa-se desnudo o campo. As primeiras chuvas lavam o terreno. Arrastam para os córregos terra, pedras, madeira e lixo normalmente jogado no chão. As múltiplas gramíneas do cerrado, aptas a deter a água da chuva e abrigar a biodiversidade, desaparecem. É o começo do deserto.

O abastecimento de água se faz por poços tubulares ou artesianos por empresas de perfuração nem sempre autorizadas pela Adasa. Quase nenhuma preocupação transparece para a preservação da vegetação nativa e a detenção das águas da chuva para conservação das nascentes. Para ocupar uma área é preciso observar três aspectos essenciais: o uso do solo para múltiplas necessidades, a instabilidade climática e a densidade da população.

É possível conviver com o cerrado. Preservo, há quarenta anos, uma área de 70 hectares às margens do Ribeirão das Lajes, na bacia hidrográfica do Rio Santo Antônio do Descoberto, ao sul do Distrito Federal. Um denso tapete de gramíneas, a conservação da vegetação nativa, protegida por centenas de pequenas barragens de detenção das águas da chuva, propiciam a infiltração e a recarga dos aquíferos. Mesmo durante as chuvas, resultado da conservação da densa vegetação, as águas dos córregos dessa área preservada desembocam limpas no Ribeirão das Lajes que desce sujo e poluído pela ação descuidada dos moradores.

As dificuldades econômicas crescentes, o custo da habitação, os consequentes impostos a ela vinculados e o crescimento da população do DF propiciam a ocupação inadequada e desordenada de áreas de proteção ambiental.

A peculiaridade da conservação do solo no DF indica que um plano de ocupação ecológica deve ser posto em prática no sentido de orientar a ocupação impulsionada pelo crescimento populacional.

Os órgãos de decisão precisam decidir. As pessoas não conseguem ver o precipício até que esteja diante delas. As políticas econômicas podem ter resultados deseducadores. A cegueira ecológica dos administradores e dos cidadãos ocasiona consequências desastrosas.

A Secretaria de Meio Ambiente, a Adasa, a Caesb, o Ibram, a Secretaria de Agricultura têm estrutura e técnicos especializados. Podem oferecer orientação adequada aos moradores para a conservação da vegetação nativa, a detenção de águas pluviais e preservação de nascentes e cursos de água.

A catástrofe ambiental em curso afeta especialmente os mananciais, a vegetação nativa e ameaça os atuais e os futuros habitantes do DF com a falta de água. Ela poderá ser minorada se um vigoroso plano de preservação ecológica for levado a efeito pelos órgãos responsáveis com o apoio e o interesse da sociedade brasiliense e dos meios de comunicação.

 

 
Humanamente
Eugênio Giovenardi (Fonte)