FILMES NACIONAIS QUE SERÃO LANÇADOS EM BREVE

Filmes nacionais que serão lançados em breve

Filmes nacionais que serão lançados em breve

‘Capitu e o Capítulo’, de Julio Bressane, selecionado para o Festival de Rotterdam!
O novo filme de Júlio Bressane, protagonizado por Mariana Ximenes e Vladimir Brichta, está entre os selecionados do Festival Internacional de Cinema de Rotterdam que vai até o dia 6 de junho! Inspirado em Machado de Assis, o filme, segundo o diretor, “não é uma tradução, nem uma adaptação de Dom Casmurro e sim uma distorção desse romance”, onde uma figura do livro se torna um personagem importante, que é o Capítulo.
O romance ‘Pedro e Inês: O Amor Não Descansa’, de António Ferreira
Uma coprodução entre Portugal, França e Brasil, o filme é baseado na história real do Rei Dom Pedro I, que desenterrou sua amante Inês de Castro para torná-la rainha depois de morta. Protagonizado pelos atores Diogo Amaral e Joana de Verona, o filme é inspirado na lenda de Pedro e Inês, narrando uma inigualável história de paixão ao longo de três épocas e imortalizando a mais gloriosa história de amor portuguesa.
O documentário ‘Nheengatu’, de José Barahona
Ao longo de uma viagem no alto Rio Negro, na Amazônia profunda, o diretor busca uma língua imposta aos índios pelos antigos colonizadores. Através desta língua misturada, o Nheengatu, e dividindo a filmagem com a população local, o filme se constrói no encontro de dois mundos.

Filmes nacionais que serão lançados em breve

O suspense ‘Contatado’, de Marité Ugás
O filme conta a história de Aldo, um ex-líder de um famoso culto “extraterrestre”, aposentado e isolado em sua solidão. Ele é seduzido por um jovem seguidor que tenta convencê-lo a voltar a pregar. Aldo hesita em reviver seu passado como “Contatado”, mas quando a vaidade supera seus medos, as ambições do jovem o surpreendem. Uma coprodução Brasil, Venezuela, Peru e Noruega, das mesmas realizadoras de ‘Pelo Malo’.
‘A Espera de Liz’, de Bruno Torres
Liz (Simone Iliescu) vive um momento de incertezas. Introspectiva, ela procura compreender o motivo do desaparecimento de seu companheiro Miguel. Enquanto busca respostas internas, Liz sente a necessidade do apoio de Lara (Rosanne Mulholland), sua irmã mais nova.

Aos poucos, o resgate da relação das duas se torna cada vez mais intenso, enquanto individualmente fazem a revisão de seus valores e sentem fortalecer o amor e a admiração. Mas Lara guarda um segredo que poderá mudar suas vidas.

Filmes nacionais que serão lançados em breve

O drama ‘Homem Onça’, de Vinicius Reis
Rio de Janeiro, segunda metade dos anos 1990, “era das privatizações”. Pedro trabalha em uma grande empresa estatal, que em breve será privatizada. Pressionado por um cruel processo de reestruturação, Pedro tem que demitir sua equipe e antecipar a sua aposentadoria, contra a vontade. Aposentado e com uma doença na pele, ele decide se separar da família e se mudar para Barbosa, sua pequena cidade natal, no interior distante. Lá, ele descobre que a onça pintada que habitava a floresta ao redor de Barbosa, no tempo da sua infância, está mais viva do que nunca. Em agosto, nos cinemas.
O suspense político ‘Curral’, de Marcelo Brennand
Protagonizado por Tomás Aquino, o filme acompanha Chico Caixa, um homem humilde e ex-funcionário da distribuidora de água de Gravatá, em Pernambuco, local que sofre com a escassez hídrica. Ele é recrutado por um amigo de infância, o advogado Joel (Rodrigo García), que precisa conquistar votos de um bairro popular fundamental para conseguir se tornar vereador na cidade. Para se eleger, os dois usam o fornecimento de água como moeda de troca com a população, mas as coisas saem do controle quando Chico se vê confrontado entre suas necessidades financeiras e seus princípios.

Filmes nacionais que serão lançados em breve

‘Segundo Tempo’, de Rubens Rewald
Ana e Carl são dois jovens irmãos que nunca se deram bem, mas depois de sofrerem uma grande perda familiar, partem em busca de respostas. Os dois tentam encontrar no Brasil e na Alemanha, seus próprios caminhos e identidades, atravessando a História de sua família e do século XX.
O suspense ‘Aranha’, de Andrés Wood
O filme do chileno Andrés Wood (mesmo diretor de “Machuca”) aborda a onda de conservadorismo na América Latina nos anos 1970 a partir da história de um grupo nacionalista que pretendia derrubar o presidente Salvador Allende. A obra conta com a participação do brasileiro Caio Blat no elenco.
O terror ‘O Diabo Branco’, de Ignacio Rogers
Em uma viagem de carro pelo interior da Argentina, um grupo de quatro amigos têm um estranho encontro com um misterioso homem quando chegam para pernoitar em uma pousada local. As férias ideais dos amigos são arruinadas quando eles acabam se tornando reféns de uma antiga lenda maligna que assombra a cidade.
O documentário ‘Poetas do Céu’, de Carlos Maillé
Através de uma viagem pelo mundo da pirotecnia, Poetas do Céu nos mostra os criadores mais relevantes dessa arte em seu processo criativo e emotivo, retrata a paixão e a emoção que reúnem esses artistas, enquanto descobrimos alguns dos principais festivais ligados a essa arte.

O filme nos transporta inconscientemente a uma reflexão sobre a vida, aquela onde o céu se assemelha a uma tela de cinema e onde os fogos de artifício se convertem em suas imagens. Depois, tudo desaparece, mas permanece na memória.
‘Cora’, de Gustavo Rosa de Moura e Matias Mariani
2064. Cora, uma norueguesa, encontra um documentário inacabado no qual Benjamim, seu pai brasileiro, tentava investigar, 50 anos antes, a história dos próprios pais dele: Teo, que morreu louco quando ele ainda era criança, e Elenir, uma mulher misteriosa de quem ele mal ouviu falar.

Em sua investigação, Benjamin descobre que ambos fazem parte de um complexo quebra-cabeça familiar, cheio de traumas e tabus, no qual ele começa a se ver como uma das peças principais.

O material presente no documentário de Benjamim é organizado e comentado por sua filha, na tentativa dela de compreender o passado perdido de sua família.
´Casa de Antiguidades’, de João Paulo Miranda
Cristovam é um “caipira” do interior do Brasil que busca em outras terras melhores condições de trabalho.

Mas, o contraste cultural e étnico da nova morada em relação à sua terra natal provoca no vaqueiro um processo de solidão e perda de identidade.

Boatos e maldades dos habitantes locais o levam ao desespero e a decisões equivocadas, fazendo-o perder a razão e a lucidez. Sem saída, ele passa a reviver o passado para suportar o presente.