Os clássicos para o Halloween

Halloween em Orlando

Os clássicos para o Halloween


Quer passar o Halloween lendo ou revisitando os clássicos?


O escritor romancista AT Sergio, que tem uma predileção pelos temas de terror e ficção, fala um pouco sobre os autores que considera indispensáveis para quem quer conhecer o tema a fundo.

Semana de Halloween e o que você pode fazer? Revisitar os clássicos do horror, claro!

Quem não conhece ainda Bram Stocker, Mary Shelley ou Edgar Allan Poe precisa aproveitar a oportunidade.

Os clássicos para o Halloween

Confira:

Abraham “Bram” Stoker – nascido em Dublin, o escritor conhecido como Bram Stocker foi o criador de uma das obras mais famosas de todos os tempos, lançada em 1897. Drácula tornou-se a mais famosa obra sobre vampiros da história da literatura.

Antes de escrever seu clássico, o escritor passou anos imerso em pesquisas sobre folclore, mitologia e, por isso, suas histórias são carregadas de detalhes e simbologias. “Nem todo mundo gosta de Bram Stocker, já que sua escrita não é do tipo dinâmica. Mas não podemos negar que ele é essencial para quem ama ou quer conhecer terror. Eu diria que Bram Stocker, especialmente Drácula, é necessário”.

Mary Wollstonecraft Shelley – A escritora londrina é, nada mais nada menos, do que a criadora de outro personagem clássico do terror, Frankenstein. Além de autora, também teve suas incursões pelo teatro, pelas biografias e até mesmo pela literatura de viagens, pasmem.

Mas seu romance gótico Frankenstein: ou O Moderno Prometeu, de 1818, é considerada a primeira obra de ficção científica da história e, além disso, ainda ajudou a lançar um novo modelo de história de horror, que mistura o romantismo, também! “Mary é mais dinâmica que Bram, e seu monstro é uma criação essencial na literatura de terror.

Eu diria até que a parte de drama da história de Frankeinstein é referência para a literatura de entretenimento até hoje. Um monstro com coração”, lembra AT.

Os clássicos para o Halloween

Clive Barker – quem não conhece Hellraiser e Pinhead? Sim, Clive Barker, um artista inglês multifacetado (dramaturgo , romancista , diretor de cinema e artista visual) teve seu primeiro sucesso com a série de contos Os Livros de Sangue, na década de 1980.

É do tipo que gosta de fazer tudo, inclusive ilustrar os próprios livros e, talvez esse seja o maior motivo por eles ganharem notoriedade tão visual. Para AT, Clive é o “cara do sangue, da ação, de nos tirar no chão! É um mestre na arte de descrever cenas com vísceras e muita crueldade com os personagens e com o leitor. Fundamental para quem escreve e gosta do gore”.

P. Lovecraft, escritor americano que, segundo muitos autores, revolucionou o gênero de terror, atribuindo-lhe elementos fantásticos típicos dos gêneros de fantasia e ficção científica.

“Não sou dos seus maiores fãs, mas não posso negar a importância de suas histórias para o desenvolvimento do terror cósmico, fora da caixa total. Sua escrita não é nada dinâmica, mas precisa estar na lista dos que merecem ser lidos e apreciados”, revela AT Sergio.

O próprio Lovecraft chamava seu princípio literário de “Cosmicismo” ou “Horror Cósmico”, pelo qual a vida é incompreensível ao ser humano e o universo é infinitamente hostil aos seus interesses.

Os clássicos para o Halloween

Edgar Allan Poe, autor poeta, editor e crítico literário, integrante do movimento romântico – sim! Foi um dos primeiros escritores norte-americanos de contos e é, geralmente, considerado o inventor do gênero ficção policial, também recebendo crédito por sua contribuição ao emergente gênero de ficção científica.

Foi um influenciador da literatura ao redor do mundo, e suas obras mais conhecidas são góticas, um gênero que ele seguiu para satisfazer o gosto do público.

Um mestre: “sua escrita abriu as portas para o policial, o terror, com pitadas de drama na dose certa. Ele escreve com a alma e nos faz mergulhar em suas histórias a ponto de nos fazer sofrer com cada cena, cada sentimento dos personagens”.

F. Lucchetti, conhecido como o “Papa da Pulp fiction” no Brasil, é paulistano de Santa Rita do Passa Quatro, e trabalhou como ficcionista, desenhista, articulista e roteirista de filmes, histórias em quadrinhos e fotonovelas. São 1547 títulos publicados, 300 quadrinhos assinados, mais de 25 roteiros de filmes, três programas de televisão, centenas de artigos divulgados em revistas e jornais, e produções para rádio.

“Lucchetti é um mestre do pulp nacional, com seus personagens cheios de sensações e descrições perfeitas de cenas de ação e suspense. Ele sabe envolver, mesmo usando às vezes uma linguagem mais afastada do que hoje usamos como usual. Não há literatura pulp/terror/horror no Brasil se não citarmos ou considerarmos o mestre Lucchetti”, finaliza AT.

Halloween em Orlando
Halloween

Acompanhe as ultimas dicas de viagem.