Conheça cinco curiosidades sobre infiltrado na Klan

infiltrado na Klan

Conheça cinco curiosidades sobre infiltrado na Klan

No Oscar, o enredo rendeu ao diretor Spike Lee a estatueta por Melhor Roteiro Adaptado

Infiltrado na Klan – Oscar 2019

A 91ª cerimônia dos prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, o Oscar, que no Brasil foi transmitida na noite de domingo (24) para segunda-feira (25), está sendo considerada como uma das mais representativas nas premiações.

Os vencedores resgatam enredos que contam histórias de gays, feminismo, manobras políticas e racismo.

Infiltrado na Klan – Representatividade

Neste último quesito, apesar de outras produções também trazerem em sua temática personagens de representatividade do universo black, o filme Infiltrado na Klan é o que tem o mais forte discurso sobre as marcas profundas que a intolerância pode deixar na sociedade.

Transportada para a sétima arte, a obra rendeu sete indicações ao Oscar.

Infiltrado na Klan – Curiosidades

A seguir, conheça algumas curiosidades que envolvem a trama de infiltrado na Klan:

1)       O enredo conta uma história real. Ron Stallworth, o policial original, guarda até hoje em sua carteira a credencial da KKK.

2)       A história rendeu a primeira indicação de Spike Lee ao Oscar de direção. Mas, foi na categoria de Melhor Roteiro Adaptado que Lee contou com o favoritismo do júri, ao competir com outros profissionais. Em 2006, o diretor havia recebido um Oscar Honorário e na época criticou a quantidade de negros concorrendo ao prêmio.

3)       Emocionado em seu discurso de agradecimento, Lee citou a avó e reforçou sua retórica política ao recordar que as eleições de 2020 estão chegando. “Vamos pensar nisso. Vamos nos mobilizar, estar do lado certo da história. É uma escolha moral. Do amor sobre ódio. Vamos fazer a coisa certa”, disse.

4)       O diretor acrescentou mais fatos históricos reais às telonas quando decidiu incluir na história cenas de arquivo dos protestos em defesa da supremacia branca em Charlottesville, em 2017, e também de atos em defesa dos negros nos Estados Unidos, no movimento batizado de “Black Lives Matter” (vidas negras importam, em tradução livre).

Professora indígena é indicada ao Oscar por filme da Netflix!