LONGA BETÂNIA

LONGA BETÂNIA LEVA A CULTURA MARANHENSE AO MUNDO

LONGA BETÂNIA LEVA A CULTURA MARANHENSE AO MUNDO

Dirigido por Marcelo Botta, o longa traz uma parteira lidando com as adversidades após a perda do marido

O longa será apresentado ao público de Berlim em 6 sessões dentro do programa da Panorama, sessão favorita do público, que, nas palavras da organização, apresenta filmes extraordinários sempre em busca do que há de novo, ousado, pouco convencional e selvagem no cinema atual. Uma seleção de filmes em que é possível encontrar talentos jovens de todo o mundo e trabalhos mais recentes de cineastas renomados.

Rodado em 25 diárias, divididas em duas épocas distintas, acompanhando o período de cheia e de seca dos Lençóis Maranhenses, o longa traz como protagonista a parteira Betânia (Diana Mattos), nascida no povoado de mesmo nome. Em decorrência da falta de energia elétrica, ela perde seu marido e encontra na comunidade a energia para começar uma nova jornada aos 65 anos.

O desafio de filmar numa região tão remota foi justamente o que animou a equipe de filmagem. “Era a nossa chance de experienciar a descompressão de uma maneira extrema.

Foi um salto muito grande sair de um lockdown confinado dentro de casa por quase dois anos para vivenciar um set naquele cenário de paisagens gigantescas que nos faziam sentir minúsculos. Era o sentimento exatamente oposto ao clima claustrofóbico ao qual todos fomos submetidos durante o necessário confinamento.”

LONGA BETÂNIA

ELENCO

Com um elenco composto exclusivamente de moradores e moradoras do Maranhão – inclusive os personagens franceses são interpretados por imigrantes que moram lá há 10 anos –, Botta coloca na tela atores e atrizes estreantes que se revelam donos e donas de um talento nato.

A música, aliás, tem um papel fundamental em BETÂNIA, que conta com mais de 60 momentos musicais dentro do filme, entre toadas de Boi compostas e interpretadas por cantadores do povoado, Reggae Remixes, Incelenças e Tambor de Crioula, entre outros gêneros.

“O Maranhão tem uma riqueza cultural gigantesca! Saber que vamos botar gente do mundo inteiro pra sentir o pandeirão do Boi batendo lá no fundo do coração nos deixa realmente emocionados.”

Sinopse

Depois de enterrar seu marido, Betânia, 65, busca na comunidade a força para reinventar sua forma de viver no isolado povoado dos Lençóis Maranhenses.

Movida pelo som ancestral do Bumba Meu Boi, Betânia luta para manter o sentido de identidade, enquanto tradição e modernidade colidem. Tal como as flores que insistem em brotar no período mais árido, Betânia e sua família tentam renascer, enquanto o mundo acaba.

Cultura Alternativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *