Museu Frida Kahlo

Museu Frida Kahlo

Museu Frida Kahlo é uma oportunidade única de conhecer de perto a história de uma da artista incrível e com toda a intensidade em que ela viveu.

O Museu Frida Kahlo fica na La Casa Azul foi o lugar onde Frida Kahlo, a mais renomada artista latino-americana do mundo, veio a este mundo, viveu e deu seu último suspiro.

O edifício, que data de 1904, não era uma construção em grande escala. Hoje tem um edifício de 800 m2 rodeado por uma propriedade de 1200 m2. Diego e Frida encheu-o de cor, arte popular e peças pré-hispânicas para mostrar sua admiração pelos povos e culturas do México.

A construção sofreu duas grandes modificações. Quando o revolucionário russo Leon Trotsky viveu com Diego e Frida em 1937, a propriedade hoje ocupada pelo jardim foi comprada. Em 1946, Diego Rivera pediu a Juan O’Gorman que construísse o estúdio de Frida. O interior da casa foi mantido praticamente intacto.

Isso foi respeitado pelo poeta e amigo do casal, Carlos Pellicer, que projetou a exibição do museu para o espaço após a morte de Frida. Portanto, a casa e seu conteúdo preservam essa atmosfera íntima.

Onde fica – Museu Frida Kahlo

Londres 247, Coyoacán – CEP: 04000

Telefone: +52 55 5658 5778

Site: http://www.museofridakahlo.org.mx

Horário: Terças e de quinta a domingo, de 10h a 17h45. Quartas, de 11h a 17h45.

Museu Frida Kahlo

Frida Kahlo pintou esse autorretrato em 1945, época em que seu renomado estilo artístico e técnico foi totalmente desenvolvido.

Naquela época, a satisfação oferecida por sua carreira profissional estava contaminada por uma situação pessoal particularmente difícil. Seu relacionamento com Diego Rivera foi incrivelmente complicado e a sua saúde física deteriorou-se significativamente.

A dor, a angústia e a extrema fadiga eram insuportáveis; tanto que, em junho de 1946, Frida passou por uma operação de coluna em Nova York. Infelizmente, a cirurgia não foi bem-sucedida e marcou o que foi chamado de “o começo do fim”.

Todas as fotos pertencem ao Google Arts & Culture .

A𝘨𝘯𝘦𝘴 𝘈𝘥𝘶𝘴𝘶𝘮𝘪𝘭𝘭𝘪 – 𝘙𝘦𝘥𝘢çã𝘰 𝘥𝘰 𝘊𝘶𝘭𝘵𝘶𝘳𝘢 𝘈𝘭𝘵𝘦𝘳𝘯𝘢𝘵𝘪𝘷𝘢