O preço de um sonho – Custódia Wolney

O preço de um sonho - Custódia Wolney

O preço de um sonho – Custódia Wolney

Ah… O Whatsapp é mágico.

Dentro do tempo de cada um, entrevistamos Custódia Wolney.

Foi o preço de um sonho, pois, ela nos informou que não tinha tempo e a tecnologia nos fez sonhar nesta entrevista.

Vencer barreiras é fundamental na mídia alternativa.

Curta a entrevista e saiba que não impede a produção de uma notícia se você for criativo.

Meu nome é Anand Rao, sou jornalista, editor do Cultura Alternativa, poeta com 20 livros publicados e músico com quase 50 Cds lançados. Quem é Custodia Wolney?

Falar quem sou é complicado, porque  vivo em constante processo de construção e ressignificados. A vida é feita de transformações e definir-me passa a ser limitante. Acredito que assim o é para todos nós. Porém, o que faz parte da nossa essência nos acompanha sempre. O gosto pela literatura e  arte são essenciais para mim. A poesia e a prosa são caminhos onde expresso meus sentimentos, opiniões e percepção sobre fatos. Sou romancista.

Dedico-me a escrever romances históricos nos contextos sociais brasileiros. Para mim, escrever um romance histórico é ter a oportunidade de conhecer as entranhas do Brasil em nossa vasta diversidade cultural. Tenho quatro livros publicados: O Preço de um sonho – que tem como pano de fundo os bastidores da construção de Brasília; Kalunga – que é meu olhar sobre a comunidade quilombola Kalunga, localizada no estado de Goiás, em nossa rica Chapada dos veadeiros; Sombras da Revolta – que aborda a revolução da Balaiada e a luta de classes pela igualdade de direitos humanos e Sina Traçada – que nos traz a Revolta dos Malês, ocorrida em Salvador no ano de 1835.

Este livro foi premiado pelo Prêmio Oliveira Silveira, da Fundação Cultural Palmares, que teve por objetivo fortalecer a história de luta e liberdade do negro no Brasil. Faço parte da gestão do Celeiro Literário Brasiliense e da Academia de Letras e Música do Brasil.

O preço de um sonho – Custódia Wolney

A técnica que utilizo para escrever meus poemas é a ritmica, valorizo o som das palavras e uso muita metáfora. Com relação às crônicas, contos e ao romance que estou escrevendo, ainda estou no início desta linha de escrita e estou experimentando diversos caminhos. No jornalismo não sigo as regras pré estalecidas do lide e etc. Qual a técnica que utilizas na tua escrita?

Não sigo  nenhuma técnica específica. Mas existem algumas etapas que, ao meu ver,  são fundamentais para escrever um romance histórico.  Primeiramente eu faço uma pesquisa inicial sobre o que pretendo escrever. Caso o tema não desperte suficientemente o meu interesse, busco outra temática.

Porém,  se durante a pesquisa eu sentir-me envolvida com o tema, debruço-me em um estudo criterioso até sentir-me inserida no contexto estudado. A partir disto vou construir o enredo e os personagens, sempre considerando as especificidades da época da historicidade abordada.

Ao escrever um romance histórico sinto-me como um pintor que se senta à frente de uma tela e extrai da paisagem tudo que sua sensibilidade permite ver, registrando  seu olhar sobre o ponto observado.

É assim que faço com o resgate da história, onde os personagens fictícios que crio, são as cores e os tons no contexto real que delineia a tela do romance.

O preço de um sonho – Custódia Wolney

Hoje, para mim, todos têm que estar atentados com a tecnologia para difundir bem seu trabalho como também criar. Tenho criado meus e-books no Power Point e vídeos no Videoleap. Passei a usar o Zoom nas entrevistas ao vivo para fidelizar o Cultura Alternativa e a Tv Cultura Alternativa que são os canais onde todos têm acesso às mesmas. Faço “lives” há mais de 10 anos. O que acha sobre a questão? O escritor tem que estar antenado com a tecnologia?

A tecnologia sempre foi muito importante, mas agora nesta crise mundial, onde o isolamento social nos limita, a tecnologia tornou-se fundamental. Desde 2006, faço interação e divulgação do meu trabalho,  inclusive vendo meus livros, por meio do meu site oficial: aromancista.com.

Atualmente, além do site, onde é possível acompanhar toda minha trajetória de escritora e projetos culturais desenvolvidos, faço uso de outras mídias sociais como, canal do YouTube, zoom, Instagram e Facebook.

Atualmente, voltei a fazer parte do Sindicato de Escritores do DF, pois, acho que há uma boa gestão. Quando não há, na minha visão. Academias sempre fui convidado para fazer parte pagando, não aceitei. O que acha de Sindicatos, Academias, Associações e etc.?

Tambem faço parte do Sindicato dos Escritores e a seriedade e engajamento da gestão do jornalista e escritor Marcos Linhares, tem sido muito expressiva e atuante. Quanto academias acho válido participar sim, desde que seja de maneira pró ativa e participativa e não apenas um título de imortalidade.

Faço parte da Academia de Letras e Música do Brasil, ocupando a cadeira 19, patroneada por uma escritora que sempre tive grande respeito e admiração que é nossa querida Rachel de Queiroz. Gosto muito da interatividade do grupo e ações culturais que promovemos. Participo do grupo de leitura da Academia e tem sido uma rica experiência, onde lemos um livro por mês, seguido de debates e crítica literária.

Toda academia tem uma anuidade a ser paga. Com este recurso  é possível viabilizar o fazer Cultural proposto pela academia em seu plano de trabalho anual. Atuo também como gestora do Celeiro Literário Brasiliense, um grande coletivo Cultural que abriga todas as artes, onde desde 2015,  produzimos  saraus, levando a poesia para praças,  escolas, feiras e bienais. É muito importante pertencer ao meio que atuamos e participar da ALMUB e do Celeiro Literário Brasiliense tem me proporcionado conhecer pessoas maravilhosas, envolvidas e comprometidas com a cultura.

O preço de um sonho – Custódia Wolney

Como podemos encontrar Custódia Wolney e seus projetos na internet. Quais os links públicos que podem ser divulgados nesta entrevista?

Por meio de meu site oficial: www.aromancista.com,  que tem todos projetos culturais por mim  desenvolvidos, como também fotos, poemas e crônicas. Meus livros também estão lá, disponibilizados para venda.

Obrigado à Custódia pelo tempo dispensado à nosso Portal de Notícias, número um no Google frente a milhões de resultados. Veja no vídeo abaixo.

ANAND RAOAnand Rao

Editor do Cultura Alternativa