Machado de Assis - Site Cultura Alternativa

O tema da inutilidade da vida em Brás Cubas

Inutilidade da vida

Em Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis explora o tema da inutilidade da vida através do narrador-protagonista, Brás Cubas. 

Brás é um homem que, ao olhar para trás em sua vida, percebe que ela foi uma série de decepções e fracassos. Ele não conseguiu alcançar seus objetivos, não deixou um legado duradouro e, em última análise, não sente que sua vida teve qualquer significado.

O tema da inutilidade da vida é desenvolvido através de uma variedade de elementos do romance, incluindo o cenário, o enredo, os diálogos e os personagens. 

O cenário do romance é o Brasil do século XIX, uma época de grandes mudanças e incertezas. O contexto histórico contribui para a sensação de inutilidade e desilusão que Brás sente.

O enredo do romance é também significativo. Brás conta sua vida em ordem cronológica, começando com seu nascimento e terminando com sua morte. Ao longo do caminho, ele narra suas experiências, tanto boas quanto ruins. No final, Brás conclui que sua vida foi uma série de desperdícios.

Os diálogos do romance também contribuem para o tema da inutilidade da vida. Brás frequentemente conversa com outros personagens sobre as inconsistências e absurdos da vida. Essas conversas reforçam a sensação de que a vida é sem sentido.

Os personagens do romance também são importantes para o desenvolvimento do tema. Brás é um personagem complexo e contraditório. 

Ele é inteligente, perspicaz e sarcástico, mas também é egoísta, manipulador e cruel. Brás é um exemplo de como até mesmo as pessoas mais inteligentes e talentosas podem levar vidas inúteis.

Memórias Póstumas de Brás Cubas influenciou muitos outros autores, incluindo Guimarães Rosa, Clarice Lispector e Rubem Fonseca. 

Inutilidade da vida

Esses autores exploraram temas semelhantes em suas obras, como a inconsistência da vida, a falta de sentido da existência e a busca pela autenticidade.

O tema da inutilidade da vida é um tema universal que é relevante para todas as épocas. Memórias Póstumas de Brás Cubas é um romance clássico que explora esse tema de forma profunda e perspicaz.

Inutilidade da vida

Exemplos específicos de como o tema é desenvolvido

Aqui estão alguns exemplos específicos de como o tema da inutilidade da vida é desenvolvido no romance:

* No início do romance, Brás descreve seu nascimento como um “nada”. Ele diz que “nasci com o umbigo virado para fora, o que foi considerado um mau presságio”. Esse início inauspicious sugere que a vida de Brás já estava condenada a ser inútil.

* Ao longo do romance, Brás conta sobre suas várias tentativas de alcançar o sucesso. Ele tenta ser um médico, um político, um escritor e um empresário, mas falha em todas essas áreas. Essas falhas reforçam a ideia de que Brás é um homem inútil.

* No final do romance, Brás conclui que sua vida foi uma “coisa inútil”. Ele diz que “não fiz nada de útil, nem deixei nada de útil”. Essa conclusão definitiva deixa claro que Brás acredita que sua vida foi um desperdício.

Inutilidade da vida

Influência de outros autores

Memórias Póstumas de Brás Cubas influenciou muitos outros autores, incluindo Guimarães Rosa, Clarice Lispector e Rubem Fonseca. Esses autores exploraram temas semelhantes em suas obras, como a inconsistência da vida, a falta de sentido da existência e a busca pela autenticidade.

Guimarães Rosa, por exemplo, explorou o tema da inutilidade da vida em seu romance Grande Sertão: Veredas. 

O protagonista do romance, Riobaldo, é um homem que viveu uma vida de violência e miséria. Ao final do romance, Riobaldo conclui que sua vida foi uma “coisa inútil”.

Clarice Lispector também explorou o tema da inutilidade da vida em seu romance A Hora da Estrela. A protagonista do romance, Macabéa, é uma mulher pobre e analfabeta que leva uma vida miserável. Ao final do romance, Macabéa morre sozinha e sem ninguém para se importar com ela.

Rubem Fonseca também explorou o tema da inutilidade da vida em seu romance O Caso Morel. O protagonista do romance, Morel, é um homem inteligente e sofisticado que leva uma vida de crime e violência. Ao final do romance, Morel é morto por sua própria criação.

Todas essas obras foram influenciadas por Memórias Póstumas de Brás Cubas, que é um romance seminal que continua a inspirar autores contemporâneos.

REDAÇÃO SITE CULTURA ALTERNATIVA

Cultura Alternativa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *