Quer escrever um livro? Confira cinco dicas

Quer escrever

Quer escrever um livro? Confira cinco dicas

A plataforma de autopublicação lançou recentemente um guia com “75 dicas para escrever um livro” e, para ajudar os novos autores, traz uma prévia com cinco delas

Ricardo Almeida, CEO do Clube de Autores, explica que “75 dicas para escrever um livro” é um guia que mostra de forma clara que qualquer pessoa pode se tornar escritor.

“O livro entrega o caminho, passo a passo, para que qualquer pessoa possa escrever sua própria obra aproveitando tudo o que a tecnologia de hoje oferece. Com 10 anos de experiência e mais de 70 mil livros publicados em nossa plataforma, conseguimos reunir pequenas pílulas de conhecimento que certamente podem ajudar autores em todos os cantos do mundo”, diz Ricardo.

Para ajudar os novos autores, a plataforma divulgou uma prévia com cinco dicas essenciais na hora de planejar, escrever e lançar seu primeiro livro. Confira:

Quer escrever um livro?

1 – Deixe o título para o fim do livro

A situação é muito comum: você está finalmente tendo progressos ao escrever uma obra. A inspiração veio, definiu o enredo, personagens, criou todo o planejamento e a criação da obra está indo até melhor que o esperado. Então, empolgado, divide a aventura com um amigo, que de bate-pronto pergunta: “É mesmo? Que legal! E qual o título do livro?”

Calma, não se desespere, você não é amador por não ter um título logo de cara. O processo de criação de uma obra deve ser o mais aberto possível, porque até o último ponto ser digitado, ainda tem muita história pra acontecer.

Então, deixe o título para o final. Ele é a síntese de toda a sua obra. Ele é a frase que faz seu livro dizer a que veio em apenas algumas palavras. Por isso, não rotule antes da hora. Ou você pode acabar com um livro policial incrível desacreditado por conta do título escolhido antes da primeira frase, por pura teimosia.

2 – Escreva tudo que passar pela sua cabeça – tudo mesmo

Às vezes, nos momentos mais inesperados, nos ocorrem raciocínios interessantes: frases, reflexões, diálogos, acontecimentos, lembranças. Fique atento a esses acontecimentos e anote todos. Sabe aquela sacada inteligente na narrativa, ou uma resposta marcante de uma personagem de um filme, uma estrofe inesquecível de uma música?

Muitas vezes elas são criadas assim, a partir da anotação de um pensamento que pode escapar a qualquer simples mortal, mas jamais a um escritor atento. Registre sempre que puder e tenha em mãos papel e caneta, ou ferramentas como Google Keep e Evernote, para anotar tudinho.

3 – Crie seu próprio estilo

Um dos grandes erros que autores costumam cometer é tentar construir histórias que agradem ao que eles entendem como “massa de leitores”. “Paulo Coelho é um best-seller? Então tentarei escrever igual a ele!” Poucas ideias podem ser piores do que essa, até porque um livro é, por excelência, um espelho do seu autor.

Quanto mais rápido o autor entender que suas chances de sucesso são maiores à medida em que ele se entregar ao seu próprio estilo, melhor. Ser você mesmo é uma garantia de sucesso? Infelizmente, não, o mercado literário é, possivelmente, o mais concorrido do mundo. Mas tentar ser outra pessoa é uma garantia de fracasso.

Quer escrever um livro?

4 – Vença os bloqueios criativos

O que gera a faísca da criatividade? Escrever, todos sabemos, não é exatamente uma tarefa mecânica. Não basta apenas abrir o computador e esperar que histórias revolucionárias saiam pelos dedos: há que se fazer a “Deusa da Inspiração” surgir, dar o ar da graça.

E, mesmo que você já saiba o que te inspira, já conheça seu processo criativo, tenha preparado seu ambiente, horário, música, leituras, tenha todo o planejamento pronto… tem dias em que a mágica não acontece. Às vezes, semanas. Não se desespere.

Identificar o bloqueio criativo é importante, principalmente porque ele geralmente vem acompanhado de um motivo (ou vários). Se você está bloqueado, não desconte em sua história. Pare. Mude o foco.

Largue as palavras, relaxe. Vá lavar a louça, cozinhar. Saia para correr. Pare de pensar na história por um momento. Medite. A inspiração não morreu. Só está dormindo. É clichê, mas funciona: sua mente começará a ter ideias em momentos aleatórios.

5 – Seja objetivo

Não perca tempo enrolando. Se sua história já está resolvida, seja objetivo. É difícil renunciar a algo que você passou tanto tempo escrevendo. Mas não vale a pena arriscar matar sua história só para render mais algumas páginas e passar mais um tempinho com seu leitor, certo?

Quando o fim chegar, diga o que precisa ser dito, coloque os pingos nos is e garanta que todas as pontas estejam amarradas. Seja um final feliz ou triste. Conclusivo ou inacabado.

Não force na tentativa de ser poético. Mas também não termine abruptamente em uma página algo que ainda precisa ser explicado. Assim como você fez ao longo de todo o enredo, deixe as palavras fluírem. Teste diferentes finais.

Peça feedbacks. Largue a escrita, vá correr. Tenha mil ideias diferentes até escolher a versão final do seu fim.

Acompanhe as noticias e dicas de leitura no site do Cultura Alternativa