Sem dinheiro não há arte que resista – Por Anand Rao

ARTE

Uma breve análise que vai tomar três minutos do seu tempo.

Arte pela arte. Genial. No mundo capitalista, imperfeito. No purista, com certeza, o perfeito. Mas, aqui vamos avaliar de forma rápida, sem nos estender muito no assunto, o dinheiro na arte.

ARTE

Os famosos

Dificilmente você ganha algo de um artista famoso. Ele vive de arte, assim como os que não são famosos e não te procuram, para te dar o trabalho. Eles se tornam algo imprescindível para o seu coração. Tornam-se mitos para você. Você os tem como alternativa/sonho de vida, os venera. E eles usam e abusam do seu bolso para que você os veja, os sinta e etc. Na verdade seus produtores os eternizam no seu dia a dia de tiete e admirador.

Os alternativos

Dão suas obras achando que estão se divulgando. Pura estupidez. Muitas vezes ganhamos uma produção independente e nem ouvimos, se musical, e nem lemos, se livro. Tornam-se amigos e deixam de ser mitos. Não tem produtores, se auto-produzem. Você não os deseja, pois, eles sem fama, estão ali ao seu lado. Disponíveis. Financiam-se com dinheiro público, privado, e doam as obras, os produtos. Pensam que estão ficando famosos ao fazer isso. Repito. Pura balela.

A mídia

Para os famosos, disponível, gerando dinheiro. Para os alternativos, indisponível, gerando déficits. E é assim. Por isso, recorrer à mídia alternativa é fundamental para os artistas e leitor.

Sem dinheiro

Não se produz arte sem dinheiro, arte e dinheiro caminham juntas. Não se doa arte, arte tem que ser vendida. Os sonhadores sonham e perdem-se em dívidas. Os capitalistas, têm superavit. E os equilibrados conseguem manter “la ternura” domo dizia Cheguevara e as finanças equilibradas em lucros.

E o tempo

Tempo é dinheiro, portanto, chega deste texto.

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa

www.culturaalternativa.com.br