Ser “Mai” e Ser “Pãe” nos Dia das Mães – Por Anand Rao

Ser “Mai” e Ser “Pãe” nos Dia das Mães – Por Anand Rao

Chega finalmente o final de semana onde há a comemoração no Brasil e Mundo do “Dia das Mães”. Obviamente é um dia com apelo comercial, mas, que comove a muitos pois todos temos mães. Todos temos país também? Claro, mas, muitos se recusam a exercer essa função ou exercem sozinhos. Aí está o cerne da questão neste texto, vamos falar dos pais que exercem a função de pai e mãe sozinhos, os “Mais” e os “Pães”.

As “Mais”

São mães que exercem a função de pai e mãe sozinhas. São muitas devido a muitas situações. Viúvas, Mães separadas onde o pai some, mães separadas que promovem a alienação parental, enfim, os motivos são muitos. O que fazem as “mais”. Além de exercer a função materna, exercem a função paterna. Obviamente o filho que teve a possibilidade de ver tais funções exercidas pelos dois pais, sente, mas, se acostuma e hoje temos famílias com formações diversas.

Os “Pães”

São pais que exercem, como dito acima quanto às “mais”, a função de pai e mãe. O lado paterno é exercido com mais tenacidade, mas, o lado materno, a visão materna, tem que ser exercida com vivacidade. Hoje, com o novo posicionamento da mulher na sociedade, com sua atuação intensa e plena, são muitos. No dia das mães não podemos esquecer dos pães.

A Guarda Compartilhada

Recentemente, lei assinada pela Presidente Dilma, institui a guarda compartilhada em casos de separação, mesmo nos que tenham litígio. Eu que sou militante em prol da guarda compartilhada há muitos anos fiquei satisfeito com o ato presidencial, mas, soube recentemente através do advogado Robinson Neves, que apesar da sanção, os casos de alienação parental cresceram.

Alienação Parental

É quando um dos pais exerce tamanha influência no filho que faz com que o mesmo esqueça um dos pais, se os dois existirem. Pensamos que diminuiria ou até acabaria com a sanção da lei da Guarda Compartilhada, como citei acima mas, parece que em vários casos ainda acontece.

Feliz Dia das Mães

Para o homem “pãe” e a mulher “mai”. Hoje com a constituição da nova família, filhos de um primeiro casamento são irmãos dos filhos de outro casamento, ou os filhos de um se tornam irmãos dos filhos do novo cônjuge, enfim, as formações são muitas, tem que ser comemorado pelo sexo masculino e feminino dependendo da situação. É um dia ímpar, emotivo, emocionado, mas, é um dia de reflexão.

Se o filho for a prioridade é importante a comunhão se houver essa possibilidade entre os pais mesmo que separados. Não é bom se manter uma união se esta está deteriorada para uma das partes do casal, a outra terá que se adaptar à perda do encanto. Mas, é fundamental que ambas as partes saibam que o filho necessita dos dois. Unidos, não, quando as brigas e os desentendimentos são frequentes. Harmonizados, sim, sempre, em prol do filho e seu amadurecimento e crescimento.

Em sendo assim, Feliz Dia das Mães para todos e principalmente para o filho que deve perceber em quem o cria, amor, compreensão, amizade e principalmente harmonia.

Anand Rao

Jornalista – Editor do Portal Cultura Alternativa

https://www.culturaalternativa.com.br/