Meu grande amor, Manhattan

Manhattan Meu Grande Amor. Amar Manhattan é amar meu passado.

Meu grande amor, Manhattan. Estou prestes a ir pela vigésima vez para Manhattan e ouço Lang Lang e Herbie Hancock Rhapsody in Blue.

Daqui a uma semana, quando o avião taxiar, eu da classe executiva vou olhar o perfil da cidade que mais amo. New York City.

Estou trabalhando intensamente na produção de conteúdo para que todos possam ler belas matérias, emoções e pulsações originárias da viagem. Estou me dedicando de uma forma ímpar e é tão prazeroso que já sinto o ar da minha cidade, Manhattan.

 

Manhattan Meu Grande Amor – História

Faz muitos anos que vou todo ano para Manhattan. Muitos diriam ele já viu tudo. Eu diria, não vi nem um terço, que dirá metade. Todo ano descubro coisas novas e havia prometido que ia ficar longe do Times Square.

Pasmem. Alguns dos hotéis que vou ficar nesta viagem que se inicia no dia 08 de Agosto, dia em que chego lá, tem dois ou três hotéis praticamente dentro do Times Square.

Mas, a história me eternizou momentos lindos em Manhattan, como foi a caminhada da 34 à 57, depois, de completados mais de cinco anos do meu segundo câncer. Lentamente, todos reclamando dos meus passos e eu me deliciando.

Ou então ir para Manhattan 15 dias depois de retirar este câncer com uma cicatriz de 30 cm no abdômen enfrentado um voo de quase dez horas fato que meu médico nunca tinha visto acontecer ao longo da sua carreira na medicina.

 

Amar Manhattan é Amar meu passado – Espiritismo

Não sou espírita. Acredito muito em Deus, Jesus, vou para a Igreja todos os dias quando ela está vazia e costumo dizer que sou Anandista. Meu nome sendo Anand sou o único seguidor da minha seita, o Anandismo, sou o guia e guiado espiritual desta seita.

Não sei…. No fundo sinto que se existem realmente vidas passadas e eu construí Manhattan, creio. Quando chego lá sinto um ar incomum de eternas magias dentro de mim. Magias que vem de áreas da cidade, bairros, momentos. Gosto do agito de ver o mundo ali, do dia a dia, do agito sem fim.

Gosto da cidade intrépida, sem tempo, onde cada um se fecha no seu mundo, no metrô ou em qualquer lugar. Sempre estou num Manhattan Connection, onde tudo alfora cada segundo em mim. Fico cansado, exausto, caminhando, mas, fico incomensuravelmente feliz.

 

Manhattan Meu Grande Amor – 2018

Esse ano pretendo decantar a gastronomia da cidade usando muito o Manhattan Week e fechando pautas. Conhecer rooftops, ver shows no circuito tradicional e alternativo de jazz, ver galerias de arte e tudo vai virar matéria para o Cultura Alternativa. A vida em Manhattan me cativa, cansa e ilumina.

A partir de hoje minhas atividades cotidianas estão iluminada, pois, sigo para ficar 20 dias em 05 hotéis diferentes em poucos dias. Não vou sair um minuto de Manhattan.

Espero que a cidade me receba de braços abertos e gentil comigo como sempre foi. Espero encontrar pessoas incríveis, locais majestosos e descobrir muito do novo, do alternativo, do belo intuitivo.

Viva a vida em primeiro lugar e viva Manhattan em segundo, que possamos produzir muito para os leitores do Cultura Alternativa sobre a cidade, o nosso olhar da cidade.

E meu coração apaixonado, espera que Agnes Adusumilli, que está na foto comigo entre nesse clima e dance Raphsody in Blue no Times Square.

Um beijo Manhattan, estou chegando.

Amar Manhattan é Amar meu passado – Filme

Curta o filme que nosso setor de áudio visual fez da visita ao World Trade Center no ano passado.

Anand Rao

Editor do Cultura Alternativa

culturaalternativa.com.br