A Engrenagem fez espetáculo de alto nível no Clube do Choro

banda A Engrenagem

A Engrenagem fez espetáculo de alto nível no Clube do Choro e o Cultura Alternativa estava lá

Recebi um convite via Facebook para assistir um show sinestésico no dia 16 de maio no Clube do Choro.

Corri atrás, pois, o Facebook hoje é a maior agência de notícias do mundo e entrevistei o guitarrista Henrique Alvim, ouça neste link: clique aqui.

Depois entrei em contato com Marco Guedes, Assessor de Imprensa do Clube do Choro, que disponibilizou dois lugares na mesa 77, a mesa do Portal Cultura Alternativa, com o objetivo de que escrevessemos uma matéria sobre o show.

Clube do Choro Lotado

A primeira coisa que percebemos desde o momento que chegamos ao Clube foi a lotação. Era mais ou menos às 20:30 h e depois lotou. Ficamos impressionados também com a quantidade de pessoas que saiu do camarim antes do início do show. Acho que era uma mescla de amigos, parentes e etc.

Ao meu lado sentou um aluno do baterista Renato Galvão. À frente uma espectadora que disse na canja do acordeonista/sanfoneiro Caetano Bartholo – é do caralho – gritou. E depois que Alvim anunciou que havia um aniversariante amigo na plateia, a mesma espectadora, embebida no álcool, pediu que cantassem parabéns. Foi além de engraçado, foi embriagador.

O show

De cara o grupo se apresentou com duas cantoras, Gabriela Correia e Amanda Miranda. Senti que elas estavam nervosas, mas, encararam com vontade a difícil linha melódico/harmônica da Engrenagem.

Depois a banda arrasou, se soltou, tocou muito, utilizando nas músicas dinâmica, quebras rítmicas, enfim, um som inovador, atonal, tonal, com músicas instrumentais, utilizando a voz para mostrar a linha melódica, lembrando muito o sexteto do beco que há trinta anos, mais precisamente em 1981, desenvolveu um trabalho parecido na Bahia, veja nas gravações disponíveis no you tube abaixo:

 

 

Ai foi a vez de ouvir um baixista solto, eletrizante, que sabe tocar e teve duas atitudes espetaculares. Ao ocorrer uma microfonia no palco ele arrancou o cabo do microfone que estava microfonando ao ver que o técnico de som não ia abaixar o mesmo e depois, agradeceu as mães pela compreensão no dia das mães com a ausência deles. O nome dele é Pedro Miranda.

Depois, um baterista que trata a bateria com amor, sabe tirar e colocar peso no instrumento, um mestre. E, assim como eu, que sou jornalista e músico e todos dizem que tenho fisionomia de engenheiro pelo cabelo curto e jeito comportado de me vestir, ele também não tem cara de músico, muito menos baterista, mas, toca horrores. O nome dele é Renato Galvão e ao meu lado, como já disse, um aluno seu se deliciava com a aula no palco.

Foi a vez de um pianista que no início estava sumido pela má equalização do áudio mas, que ao longo do show não só apareceu como harmonicista mas, como bom pianista que é, sendo também compositor, Filipe Togawa.

Por fim, o meu entrevistado Henrique Alvim. Um bom guitarrista, mas, o que mais gostei foi o timbre que ele tira da guitarra, lembrando o mestre John Scofield, obviamente sem copiá-lo, mas, senti que ele é um estudioso de timbres.

As imagens

O coletivo Stroboscopic composto de Rodrigo Koshino, Lucas Brasil e Heron Prado projetaram as imagens nas telas. Um trabalho bem feito para quem estava longe do palco, fizemos questão de sentir o mesmo do fundo do teatro. Mas, para quem estava na lateral, perto do palco, as imagens não foram marcantes. Talvez os painéis tenham que ficar em posições diferentes para cativar todo o público em qualquer lugar do teatro.

E por fim não podemos deixar de citar a Produção Executiva de Caroline Lima que deve ter tido um bom trabalho. A Produção Criativa de Anndressa Mansur, Brunho Pinheiro e Caroline Lima. A Fotografia de Bruno Pinheiro que vemos no site, sabe harmonizar sensibilidade e imagem, enfim, um grande espetáculo.

Valeu a pena e tenham a certeza, este grupo sobreviverá se for tocar em países que valorizam a boa música. Se buscar encontrar o público que gosta da boa música no Brasil, pois, a música que eles fazem é de alto nível.

O EP

Não adquirimos o EP, estamos aguardando que o grupo envie para a caixa postal do Portal que se encontra neste link e faremos matéria: http://www.culturaalternativa.com.br/contato/contatos.

O site

O site do grupo é http://aengrenagem.com/ e lá você poderá ouvir três músicas do grupo.

Enfim…. Espero que este grupo tenha longa vida e nos brinde com muitas músicas com quebras rítmicas, com uma dinâmica sem igual, músicas tonais e atonais, cheias de inovações ou novas ações em cima de harmonias já conhecidas e com imagens e viagens infinitas que nos farão sonhar e navegar.

Curta Fotos que fizemos do Show

Eis o link – clique aqui

Anand Rao

Editor do Portal Cultura Alternativa