Dia Nacional do Livro: 208 anos de histórias

Dia Nacional do Livro

Dia Nacional do Livro: 208 anos de histórias

 

Camila Piva comenta sobre a importância do incentivo à leitura em data comemorativa à literatura nacional

 

O Dia Nacional do Livro é uma homenagem à fundação da Biblioteca Nacional do livro, criada em 1810 pela Coroa Portuguesa. Na vinda de D. João VI para o Brasil, milhares de peças da Real Biblioteca Portuguesa foram incluídas no acervo do país, formando o princípio da Biblioteca Nacional do Brasil.

 

Ainda, em 1808, as terras brasileiras já editavam suas próprias obras graças à Imprensa Régia fundada pelo monarca, com o primeiro título editado no país sendo a poética “Marília de Dirceu”, do escritor Tomaz Antônio Gonzaga.

 

Uma memória tão recente e, ao mesmo tempo importante, para a cultura nacional, a data é um marco para o mercado literário do país. É o início de grandes mudanças na arte brasileira, com nomes como Álvares de Azevedo, José de Alencar, Castro Alves e muitos outros surgindo e criando as obras-primas da literatura brasileira.

 

Desde então, as publicações brasileiras entram em crescimento, mas só viram o cenário mudar em 1925, com a fundação da Companhia Editora Nacional, por Monteiro Lobato. No século XXI, as publicações brasileiras chegam a mais de meio milhão por ano, segundo o Censo do Livro de 2010.

 

São 208 anos de história, cultura e arte em terras brasileiras, que culminam no incentivo à leitura e educação dos mais jovens.

 

Camila Piva, autora das obras Viva Este Livro e Quero Ser uma Youtuber (esta última escrita em conjunto com a estrela mirim Julia Silva), revela a importância das letras na vida das crianças e adolescentes, sempre contextualizando, se adaptando e evoluindo para integrar as mais diversas preferências da juventude no país.

 

“Precisamos incentivar a leitura, transformando o momento do leitor em um hábito. Através da literatura crianças, jovens e adultos, compreendem melhor seus sentimentos, desenvolvem empatia e senso crítico. Ler mais é uma das chaves para alcançarmos uma sociedade mais fraterna, justa e capaz de refletir sobre as diversas perspectivas humanas.”, revela a escritora Camila Piva.

A literatura de cordel é o novo Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro.