Welcome to Cultura Alternativa   Click to listen highlighted text! Welcome to Cultura Alternativa
All for Joomla All for Webmasters

Longa “Uma carta para Ferdinand”, em Joinville (SC)

Cristiana Oliveira e Clemente Viscaíno gravam o longa “Uma carta para Ferdinand”, em Joinville (SC)

E o Cultura Alternativa participou desta gravação. Estávamos no morro da Boa Vista onde ocorria as gravações e embarcamos neta comedia romântica.

E já aguardando a finalização deste filme e desde já desejamos o maior sucesso para a equipe.

Cidade catarinense entra para o circuito do cinema nacional, fora do eixo Rio-São Paulo, com a comédia romântica que promete arrancar risadas nas telinhas.

De 16 a 28 de fevereiro, os atores globais Cristiana Oliveira, Clemente Viscaíno e Luiz Alves (o Ferrugem), passam por Joinville para as gravações do longa metragem “Uma carta para Ferdinand”, uma comédia romântica que promete arrancar risadas nas telas do cinema nacional.

Contando com o experiente diretor Fábio Cabral, que irá assinar a fotografia e a codireção de cena, com roteiro e a direção geral de Anderson Dresch e Kleber Dresch, o filme posiciona Joinville no cenário nacional de produção de longas metragens fora do eixo Rio-São Paulo.

 Uma carta para Ferdinand – Roteiro

No roteiro o francês Frederico Bruestlein (1835 a 1913) é o homem de confiança do Príncipe de Joinville (França), François Ferdinand.

O dono da Colônia Dona Francisca pediu para Bruestlein voltar a Joinville e fazer um relato da cidade nos dias atuais.

A descrição contou com a ajuda do atrapalhado assistente camponês, Tonico.

A dupla depara-se com situações inusitadas do passado – acontecimentos, obras e projetos – e o choque de modernidade no presente.

A turbulência de informações reacende os resquícios da memória de Bruestlein e relembra o amor platônico pela jovem Mella.

Essa divertida história conta com um elenco de peso, os atores globais Cristiana de Oliveira, no papel de Mella, e Clemente Viscaíno como o protagonista Frederico.

O filme conta com o apoio do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec) e investimento maciço da própria Produtora Ocotéa de propriedade dos irmão Dresch.

Uma carta para Ferdinand – Gravações 

 

As gravações do longa-metragem joinvilense “Uma carta para Ferdinand” contarão com aparato técnico e qualidade de cinema digital, o mesmo utilizado em Hollywood em filmes como “Piratas do Caribe 4”, “O Hobbit”, “Motoqueiro Fantasma 2”, “A Rede Social”, “O Livro de Eli”, “Contágio”, entre outros.

Já negocia-se com distribuidoras nacionais e internacionais, a estratégia de lançamento e os desdobramentos naturais da obra cinematográfica, participação em festivais e comercialização de exibição.

Uma carta para Ferdinand – Elenco

Em 1989, Cristiana Oliveira ganhou o prêmio de atriz revelação da APCA pela interpretação do papel de Hannah, na novela “Kananga do Japão”, da TV Manchete.

Ao longo da carreira sólida e premiada representou personagens marcantes da teledramaturgia em diversas séries e novelas como: “Pantanal” como Juma Marruá (TV Manchete), “De Corpo e Alma” com Tarcísio Meira, e papéis principais, inclusive vilãs, como Adriana (Salsa e Merengue) e Alcinha (O Clone). Outros destaques na TV foram “Animal” (GNT), “Salve Jorge”, “Insensato Coração” como Araci e “Paraíso” como Zuleika (os três na TV Globo).

Sua estreia no teatro foi em 1993, com Bate outra vez, assistido por mais de 60 mil pessoas. Nos palcos vem interpretando personagens marcantes em comédias e tragédias clássicas, como “Tróia”.

No cinema, destaque para “Nossa Senhora Aparecida de Caravaggio”, de Fábio Barreto e o “Gatão de Meia Idade”, dirigido por Antônio Carlos da Fontoura.

Clemente Viscaíno, ingressou no cinema em 1970, quando integrou o elenco do filme “A Herança”.

Depois, atuou em diversas produções, entre elas, “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, em 2001, e “Carandiru”, em 2003.

Também encenou e produziu peças de teatro, com destaque para “O Príncipio e o Fim”, em 2007. Na Rede Globo, fez as novelas “Sinhazinha Flô”, em 1977; “Fera Ferida” e “Mulheres de Areia”, em 1993; “Quatro por Quatro”, em 1994; “Por Amor”, em 1997; “O Clone”, em 2005; “Caminhos das Índias”, em 2009.

Luiz Alves (o Ferrugem) e Severo Cruz são outros destaques da narrativa.

Ferrugem iniciou a carreira no programa Gente Inocente, na extinta TV Tupi. No cinema, fez “O Milagre”, 1979; “King Mong” (1977) e, diversas produções de “Os Trapalhões”, na década de 80. Tornou-se assistente do apresentador João Gordo, no programa “Piores clipes do mundo”, na MTV, em 2002. Atuou no longa “O Palhaço”, em 2011.

Severo Cruz participou dos filmes: “O velho lobo do mar”, “A antropóloga”, “O Aquário de Antígona”, “Sorria, você está sendo filmado” e “Procuradas”.

Também integram o elenco Letícia Souza, artista, pesquisadora em dança e produtora cultural, que participou de mais de 30 trabalhos, incluindo espetáculos de dança, teatro, e produções em cinema e publicidade.

É produtora, desenvolve a escrita e a produção executiva de projetos culturais.

E Felp 22, vocalista do grupo carioca de rap Cacife Clandestino, sucesso nacional com milhões de acessos em todos os seus clipes disponíveis na web.

Sobre os diretores

A imagem pode conter: 1 pessoa, chapéu e atividades ao ar livre

Fabio Cabral é diretor cinematográfico e de fotografia. Além de inúmeros filmes comerciais já fez duas importantes atuações no cinema nacional, em 2001, no longa  metragem “O dono do mar”, uma super produção  com orçamento superior a 7 milhões de reais.

Em 2006, no filme “Bodas de Papel” com Helena Ranaldi, Sergio Mambert e Walmor  Chagas, um longa com coprodução Latino Americana. Fabio já foi premiado por filmes publicitários em Cannes e no NYAFF  (New York Advertsing Film Festival). A convite dos irmãos Dresch, codirige e assina a fotografia do longa com a ideia de unir talentos e conhecimento nas experiências já vividas no cinema nacional.

 A direção executiva e a câmera principal são de Kleber Dresch, cineasta que produziu o curta metragem “Vício”;  “O Aquário de Antígona”;  “As mortes de Lucana”; além de ter realizado o som dos curtas “Sob o céu de Joinville” e “O Sequestro de Malick”.

 O roteiro e a direção geral são de Anderson Dresch. O cineasta também foi o responsável pelo roteiro e direção de “Vício” – vencedor do prêmio Shortcutz Internacional – e do curta “A Carteira”.

Trabalhou na  produção em “As Mortes de Lucana” e a direção de produção de “O Aquário de Antígona” – participante do Indie Wise Festival, Second Asia International, Youth Short Film, Festival Interfilm Berlin,  International Short Film, Festival Shortcutz Santa Catarina, Shortcutz Amsterdam, 13º Bogotá Short Film, Festival Asiana e International Short Film Festival, “Hollywood Screenings Film Festival”.

Ficha técnica

Roteiro: Anderson Dresch e Fabio Cabral

Direção Geral: Anderson Dresch e Kleber Dresch

Codireção de cena e direção de fotografia: Fabio Cabral

Direção executiva e 1° câmera: Kleber Dresch

Produção executiva: Mari Silveira

Direção de arte: Alceu Bett

Coordenação técnica de imagem e 2° câmera: Giovani Rocha

Coordenação de produção: Tony Araujo

Produção de set: Soares Ordilei

Figurino: Lucas David, Tereza Dresch

Maquiagem: Karina Oliveira

Som direto: Cleidim Costa

Montagem: Marco Requena

Click to listen highlighted text!